A POSTA NO FIM

Nem sei quantos de vocês receberam um email ou uma entrada na caixa de comentários do vosso blogue a meu respeito, mas pouco me importa nesta altura. Essa mensagem foi enviada por alguém da minha família, a única pessoa que conhecia a minha identidade, indignada pela denúncia (até hoje) anónima dos meus progenitores numa posta a que chamei Cordão Umbilical. E essa indignação deriva sobretudo do motivo que mais me afastou do que apelidei de corja e na qual ela, como a atitude em causa ilustra, sempre se integrou na perfeição. Quem me conhece já sabe porquê e de quem se trata.

Por isso não lavarei aqui a dita roupa suja, sobretudo agora que a estupidez de quem reagiu com medo que eu lhe expusesse as vergonhas acabou com o anonimato que, afinal, até protegia os interesses dos visados e dela própria (também descrita neste blogue). Não prima pela inteligência, como a sua existência parasitária comprova, essa pessoa que agora se juntou ao rol dos defuntos na minha agenda...

Claro que poderia aqui defender a minha posição e exibir as provas necessárias, mas isso é irrelevante. Não é o conteúdo da mensagem que me preocupa mas apenas a questão do anonimato que assim me impede de blogar neste espaço e sob o nick que adoptei. Porque esse anonimato protegia as pessoas de carne e osso que descrevi nas minhas postas e não passariam de desabafos inócuos se esta reacção de defesa patrimonial não acontecesse. E para facilmente entenderem o calibre de quem me caluniou, pessoa mesmo muito chegada, reparem no facto de ter escolhido o dia do aniversário da minha filha para executar mais uma das suas traições.
Ainda que duvidem da essência do meu carácter, capaz de suscitar tal atitude da parte de uma ex-familiar, julgo que entenderão porque reneguei os meus laços a tal clã. A pessoa que me pregou esta partida é a pessoa mais querida da minha filha.

Pouco mais há a acrescentar perante os factos em apreço. Resta-me despedir-me de todos quantos acompanharam este charco, deixando ao critério de quem já me conhece o futuro da nossa relação.
Ficará aqui o testemunho que cedo ou tarde vos levará à autora desta infâmia, nas postas que escrevi ou nos textos que ela assina (numa banca perto de si).
Deixo também o alerta que o meu exemplo pode ilustrar: nem aos mais próximos podemos confiar a nossa identidade blogueira...
publicado por shark às 21:12 | linque da posta