SEM DIGNIDADE NO FIM

Com pouco tempo de intervalo, dois homens morreram no nosso país. Ambos septuagenários.
Um perdeu a vida no corredor de um hospital, caído da maca onde alguém o deixou a sós com o destino que assim lhe traçou como se uma decisão pudesse travestir-se em pistola disparada à queima-roupa na cabeça que a queda desamparada destruiu. O outro foi despachado num táxi, semi-nu, como uma coisa que atrapalha e urge descartar. À pressa. Para logo a seguir regressar, ainda mais doente, e apresentar a sua recusa definitiva à hipótese de futuras humilhações.

Isto não são histórias susceptíveis de envergonharem um país. A vergonha, a que escasseia, concentro-a apenas nos rostos anónimos de quem participou na infâmia que acima resumi.

E gente culpada de indecências assim assume-se apátrida na minha indignação.
publicado por shark às 21:26 | linque da posta | sou todo ouvidos