O EXTERMINADOR ADIÁVEL

Esteve quase, quase...
Mas afinal não vai dar, para grande desgosto dos apreciadores de bíceps descomunais em final de carreira e de governadores implacáveis no recurso às barbaridades na pronúncia do inglês. E é pena, pois seria uma oportunidade de ouro para Sócrates e Barroso não fazerem má figura com a sua dicção cámóne (com o nosso homónimo de filósofo a poder constatar in loco o resultado prático de adicionar uns pesos e halteres ao jogging e às meias-maratonas mediáticas).

Arnold Schwarzenegger, o protótipo do american dream para milhões de pobretanas invejosos, ficou retido (de acordo com a Lusa) pelo que poderá ser uma consequência daquilo que vinha a Lisboa tentar combater (não na óptica do extermínio implacável, pois os bólides de Los Angeles consomem combustíveis fósseis à brava, mas apenas para que o fóssil propriamente dito pudesse desmarcar-se da estupidez ateada pelo seu líder quando este em Quioto se consagrou nessa matéria a nível mundial).
A Califórnia arde sem controlo e o robot mais famoso da história do cinema, agora com o esqueleto metálico revestido pelo tecido humano de um governador, sopra sem sucesso palavras de alento aos bombeiros que lutam contra os ventos e as chamas que consomem mansões.

Curiosamente, os organizadores do evento que justificaria a presença do Arnoldo ainda não sabem da sua ausência e continuam a anunciar a participação do célebre ex-europeu na “ceremónia”.
Podem constatar essa desatenção no site da Presidência da União Europeia onde, pelos vistos, lavra o incêndio da calinada numa língua portuguesa sem Estrelas (Edites) de Hollywood (ou de Carnaxide) que lhe valham…

ADENDA: Entretanto já alguém reparou na calinada e corrigiu a dita, contudo mantiveram sem "ceremónias" a confirmação da presença do homem-máquina...
publicado por shark às 09:46 | linque da posta | sou todo ouvidos