VIRGENS PROMETIDAS E ANJOS ASSEXUADOS

Nunca entendi a panca por virgens dos fundamentalistas islâmicos. Mais ainda, como é possível que um gajo se faça explodir a si próprio e aos outros em bocadinhos com base na promessa de um paraíso onde o que mais se destaca é um grupo de dezenas de virgens ao seu dispor? Só mesmo se o gajo for virgem também e não fizer a mínima ideia do que está em causa ou nunca tiver experimentado uma sessão de sexo em condições, tenham paciência.

Uma virgem só o é pelas seguintes razões: ou é demasiado jovem, ou demasiado desinteressante, ou lésbica, ou santa, ou parva ou muito, mas mesmo muito, azarada. Em qualquer dos casos estamos perante uma estucha (ou mesmo uma impossibilidade real, se a idade for o factor em causa) seja pelos naturais e justificados receios e hesitações, seja pela inocência excessiva que só atrapalha na hora da verdade, seja apenas pela inexperiência e o que isso implica de inibidor para uma queca decente.
Tudo isto bastaria para a malta fugir a sete pés de uma, quanto mais de umas dúzias e para toda a eternidade.
Claro que com um bocado de paciência e de persistência elas fazem-se, com o tempo. Mas se um gajo vai para o paraíso, qual é a lógica de lhe tocarem virgens como prémio em vez de amantes empenhadas, desenvoltas e tecnicamente aptas a levarem o parceiro ao céu (no caso em apreço tem que ser ainda mais acima, como é óbvio)?

Porém, os machos católicos não são diferentes dos seus congéneres muçulmanos nesse particular. Pior ainda, para além de sobrevalorizarem o estatuto de forma idiota, idolatram uma (alegada) virgem mas deixam bem claro com os seus tabus em terra que não vale a pena um gajo embicar para o Céu cristão se está à espera de grandes farras nas nuvens. Até espalharam o boato de que os anjos, sempre gandas louraças ao bom estilo escandinavo (mas com asas, sabe-se lá o potencial…), não têm sexo. Não têm? Então um gajo vai para o paraíso e tem que se entreter durante toda a eternidade com a irmã da canhota?
Só podem estar a brincar…

Ou então isso de os anjos (e as anjas) não terem sexo é apenas uma estratégia de dissuasão para a malta não se afogar em barbitúricos para antecipar o momento de desfrutar dos prazeres merecidos por quem se portou bem ao ponto de nem lhe passar pela cabeça explodir em pedacinhos quando pode, naturalmente, alinhar na Guerra Santa que tantos pretendem inventar limitando-lhes (aos ditos inimigos) o contingente de virgens até não poderem honrar a promessa associada ao martírio dos seus fiéis.
Cada qual luta como pode…
Mas mesmo assim, por Deus e pela Gloriosa Civilização Ocidental, seria uma estucha e continuaria a não fazer sentido nenhum o sacrifício que implicaria o desperdício de tempo com estreias que fazem sentido na adolescência de um gajo e mesmo aí, depois de experimentar com quem saiba, já nem a falta de oportunidades justifica tal escolha…

Nada tenho contra as virgens, mesmo as alegadas, não me interpretem mal. Eu também já fui (enquanto não consegui acabar com essa tortura) e tinha que sonhar as coisas boas da vida de que hoje posso usufruir bem acordado. Mas de preferência com quem já possua a “licenciatura” ou no mínimo conheça o bê-á-bá da coisa e avance sem medos para o eventual limar das arestas que só a prática proporciona.

Por isso vos digo que nenhuma das religiões citadas me convence com base nas suas obsessões virginais a planear o “seu” paraíso como destino final da minha aventura terrena.
E essa razão bastaria para me consolidar pecador, sem vocação para terrorista e desprovido de qualquer interesse nas promessas religiosas (que mais soam como ameaças) dos dois lados em causa no que concerne ao Além.

Se continuam por esse caminho convertem-me no mais fervoroso ateu.
publicado por shark às 17:36 | linque da posta | sou todo ouvidos