A POSTA NA REDENÇÃO POSSÍVEL

underground.gif

É um alívio, sempre que podemos observar a nossa superioridade moral de uma perspectiva realista. De um ponto mais baixo, portanto. Daqueles em que as nossas (más) acções nos colocam, mal as percebemos como um erro grosseiro e colossal.
As coisas capazes de nos provocarem vergonha, a fustigarem-nos a consciência por colidirem com o conceito de superioridade de forma frontal. E desaba um gajo do pedestal onde apenas ele se colocou, ufano, cheio de certezas no cagar e de firmeza nas convicções nas quais se empoleirou.
É então que as outras pessoas ficam maiores aos nossos olhos, iguais e não inferiores pelas suas inevitáveis fraquezas que cedo ou tarde identificamos.

Acontece aos melhores, mesmo aos que só se acreditam nesse nível mas não estão. Eu tenho a minha conta de violações de alguns valores e princípios que abracei em teoria. Actos ou palavras que contrariam a intenção manifestada, a superioridade alardeada, rasgam em pedaços o frágil pergaminho em que nos apontamos sempre com o corrector à mão.
Lições de humildade, por nos obrigarem a amochar perante os pontos fracos da nossa gestão pessoal. Lições de estratégia, por nos ensinarem a optar por outros caminhos perante as derrotas com que o tempo nos ensinou. Lições de vida, afinal, que devem servir para nos aproximarem mais do que vale a pena e ignorar os aspectos acessórios que nos perturbam a concentração.

Falo-vos do quanto nos faz bem entendermo-nos vulneráveis à contradição, à imensa pressão de pedaços de existência condicionados por um factor exógeno qualquer. Dos tais que, regra geral, nos empurram de carola para a asneira e nos deixam à mercê de quem, regra geral outra vez, não concede o perdão. Porque há sempre quem nos atire de volta os estilhaços da deflagração do disparate ou da maldade que fizemos, a vida encarrega-se do que Deus deixa escapar por sobrecarga de trabalho neste mundo senil.
Falo-vos do facto de valer a pena agacharmo-nos para espreitarmos a nossa verdade tal como ela é, sem flores, sem adornos atenuantes ou enfatizações subjectivas.
Sentimo-nos menos obrigados a representar um papel, aceitamo-nos com as cargas pejorativas que a nossa intervenção possa criar.

Aprendemos a lidar com essas limitações, enfrentando-as, partilhando-as com quem merece confiança. De fora, vê-se a realidade dos factos com maior nitidez. Os olhos do outro, transparentes, detectam melhor as nossas fraquezas e acabam por suportar muitas vezes as consequências da sua exibição. Pelos olhos do outro detectamos as falhas que a nossa cegueira não permitia identificar. E é assim que conseguimos conviver com alguém, receptivos à denúncia do que nos escapa na avaliação do que nos trai.

É assim, pelo intercâmbio de mazelas que aprendemos nas nódoas negras alguma lição útil para o passo a seguir. A luz que ilumina o traçado correcto a percorrer.
É também esse um dos motivos para a solidão ser muito traiçoeira para a nossa construção como pessoas. A sós somos incapazes de recriar o termo de comparação que nos orienta, ficamos entregues à funcionalidade da nossa lucidez. Que, todos sabemos, sucumbe à maioria das grandes emoções.

Sinto-me bem por reconhecer o mal naquilo que me representa. Porque gosto de o combater, sem tréguas, para sentir que de alguma forma progredi na minha evolução.
Sem peneiras, pois um gajo consegue sempre puxar pelos brios e oferecer a si próprio e aos outros as devidas compensações pelo transtorno e os benefícios que se extraem das consequentes ilações.

Aceito-me imperfeito. E assim renuncio ao direito de apontar nos outros as suas falhas sem com eles partilhar as minhas.

Fico sem vontade de emitir juízos de valor.
publicado por shark às 23:02 | linque da posta | sou todo ouvidos