O PONTO DA SITUAÇÃO? É UM PONTO DE INTERROGAÇÃO...

Ora vamos lá ver...

A Europa está a sangrar euros e a hemorragia chamada dívida pública não estanca e hoje bastou falar-se na Itália em apuros para as bolsas darem um enorme trambolhão.

Do outro lado do Atlântico temos os norte-americanos a braços com a possibilidade de a falta de acordo político os arrastar para uma situação parecida com a da Europa em matéria de calotes.

A África enfrenta (mais) uma seca prolongada, com toda a morte directa e indirecta que isso implica no continente mártir.

As Américas do Sul e Central transformam-se aos poucos no papão que nos tempos da Guerra Fria arrepiava as espinhas no mundo ocidental.

Temos o Japão como se sabe e da China não chegam os melhores rumores.

Em diversos países árabes do Norte de África ainda estão por completar as respectivas revoluções e ninguém parece ter certezas quanto aos rumos que irão ser tomados.

E por falar no Irão, há demasiado tempo que ninguém fala das alegadas monstruosidades (os pretextos) em embrião no próximo alvo dos ocidentais se entretanto não se esgotar o pilim para sustentar uma máquina de guerra capaz da proeza de imitar no Irão o que logrou no seu vizinho Iraque.

Depois tem havido uns vulcões, uns tornados e outros abanões na já frágil estrutura que mantém isto tudo a funcionar como se espera.

 

Mas mesmo assustador, para além de começarem a ficar escassos os destinos de férias pacatos, é analisar um a um os líderes da maioria das nações que referi e saber que serão eles, neste momento de suspense da História, a tomar as decisões fulcrais.

publicado por shark às 23:06 | linque da posta | sou todo ouvidos