O QUE QUISERES VER

o que quiseres ver

Foto: Shark

 

 

Qualquer crente na existência de vida extraterrestre tecnologicamente mais avançada e por isso capaz de visitar o nosso planeta, mantendo uma prudente distância que lhes confirma a superioridade intelectual, a bordo de sofisticadas naves espaciais que na ignorante perspectiva terráquea são OVNIS, sabe que uma das maiores armadilhas do encontro imediato é a ilusão de óptica.

Balões meteorológicos, protótipos de aviões de combate, fenómenos naturais, tudo serve para desiludir os mais afortunados com a bênção do avistamento que as autoridades e os desmancha-prazeres sempre encontram forma de explicar de uma forma mais racional do que a destes que a terra há de comer.

 

É sempre difícil desmentirem-nos aquilo que os olhos, órgãos da nossa inteira confiança, nos transmitem. E compreende-se que seja difícil, tendo em conta que a maioria das deturpações não ocorrem na captação da imagem (ou da ideia) mas na respectiva edição.

Quando processamos aquilo que vemos (ou ouvimos, que também se deposita uma moderada confiança na audição) acrescentamos sempre um ponto que é o resultado da combinação entre o que nos diz a lógica propriamente dita e o que nos sussurra a conclusão subjectiva a que chegamos depois de lhe incutirmos tudo aquilo que nos faz.

Dessa distorção nascem imensos equívocos (quem não viu já o padeiro ou o amigo todo agarrado à patroa, um flagrante aparente que depois é esclarecido com o desmaio momentâneo ou assim) porque no fundo acabamos por ver o que e como queremos, sempre mais ou menos do que a vista nos mostra.

 

A realidade é percepcionada da mesma forma que o burro se albarda: à vontade do dono. O meu OVNI, aquele que passou mesmo diante do meu nariz, pode ser o reflexo do sol no peito de um pato para o parceiro do lado, pois isto do barulho das luzes envolve sempre algum ruído de fundo e neste caso é a predisposição de cada um para os factos que nos confrontam.

Se a minha bisavó, que nunca ouviu falar de discos voadores excepto os de 78 rotações, pesadíssimos, que podiam planar sobre a sala até ao toutiço do meu bisavô no meio de uma desavença, visse uma luz a bailar no céu teria de imediato a certeza de que estava a assistir a uma aparição da santinha e acabava por não ver nada enquanto ajoelhava a benzer-se.

E se calhar a minha bisneta vai olhar o mesmo fenómeno e desabafar a maçada de ter que aturar mais uma excursão de venusianos a bordo do seu autocarro espacial.

 

Mas em causa estão as tais certezas que uma simples ilusão óptica ou um raciocínio inquinado pela subjectividade inevitável podem fazer desmoronar num ápice. Nem tudo o que reluz é ouro no mundo das observações precipitadas, tal como uma observação cuidada e atenta não garante o desvendar de uma receita alquimista capaz de desmentir o pressuposto atrás enunciado.

Pouco, quase nada, é garantido e a maioria das certezas não passam de enganos que nos alimentam uma falsa sensação de segurança equilibrada de forma precária num amontoado de convicções, também elas exclamadas em pontos que parecem claros à partida mas a própria vida pode escurecer até os transformar, à chegada da maturidade mais analítica, em embaraçosos (mas estimulantes) pontos de interrogação.

publicado por shark às 12:05 | linque da posta | sou todo ouvidos