CRIME NA FOLHA EM BRANCO

A pontuação aglomerou-se em redor do local do crime, com os habituais mirones a darem palpites e as forças de segurança a criarem um perímetro para impedir demasiados avanços por parte da turba.

 

As reticências limitavam-se a levantar hipóteses que deixavam a meio, penduradas, horrorizadas como estavam com a visão daquele pobre travessão inerte na calçada.

Os pontos e vírgula não adiantavam nada à conversa, caducos, intervalando aqui e além as intervenções dos restantes, alguns absolutamente impávidos perante o triste cenário.

Junto à margem da folha, o agente ponto de interrogação questionava os principais suspeitos e as testemunhas da ocorrência, tomando notas acerca dos factos mais relevantes enquanto o detective parêntesis deixava em aberto todas as possibilidades até que um seu homónimo pudesse encerrar o processo.

 

O tempo ameaçava chuva e os assentos circunflexos, intimidados pelos olhares de cobiça da pontuação desprevenida, seriam os primeiros a bater em retirada perante o ar contrariado dos dois pontos que já procuravam com o olhar um ponto de exclamação, à falta de um jota, para fazer de cabo para o improvisado chapéu.

E foi então que os sorrisos trocistas da imensa pontuação ali reunida desapareceram, perante a chegada do filho da vítima, o tracinho lavado em lágrimas a quem as aspas trataram de imediato de afastar para o rodapé no sentido de lhe prestarem o apoio psicológico que a situação requeria.

 

O ambiente era de consternação quando chegou a ambulância com o hífen-legista e o cadáver do travessão foi retirado do piso da folha branca manchada com o borrão que assinalava de forma macabra a tragédia ali ocorrida, uma pancada de algo semelhante a um bastão em cheio no inocente travessão que passeava descansado.

 

E ainda se desconhecia o culpado, embora constasse que o ponto de exclamação seria submetido ao teste do polígrafo, quando o ajuntamento foi dispersado pelo ponto final parágrafo.

Tags:
publicado por shark às 17:46 | linque da posta | sou todo ouvidos