A ALQUIMIA DA APATIA

Em tempo de crise, uma farmácia da minha terra (Benfica) decidiu arregaçar as mangas e manter as portas abertas 24 horas por dia.

Contudo, mesmo sendo óbvia a utilidade de tal medida para a população e um excelente exemplo a seguir pela concorrência queixinhas, o aproveitamento descarado da (como de costume desajustada) legislação em vigor permitiu à concorrência invejosa e preguiçosa levar o Infarmed a proibir a manutenção desse horário de funcionamento da farmácia Uruguai, sita na avenida com o mesmo nome.

 

São estes exemplos os mais flagrantes de como nos estamos a tornar num país pequenino. Sempre que alguém apresenta uma ideia ou leva a cabo uma iniciativa excepcionais outros reagem de forma mesquinha, motivados pelo despeito, pela inveja ou apenas pela incapacidade assumida de conseguirem fazer igual ou melhor.

Estas forças de bloqueio da livre iniciativa reagem de forma corporativa com uma energia que não conseguem reunir para os esforços de sinal positivo como o da farmácia Uruguai.

E estranhamente a Lei portuguesa parece sempre facilitar a vida a estes empatas e assim acaba por fomentar a manutenção de velhos hábitos comodistas que, no caso concreto, implicam por exemplo a perda de uma oportunidade para criar mais postos de trabalho num sector que não é conhecido pela falta de meios financeiros para os manter e cuja missão é das mais importantes para a população de qualquer zona de um país.

 

Eu faço uma vénia à farmácia Uruguai, mesmo sabendo que o lucro pode ser o principal motor da sua iniciativa, pois a reacção da Junta de Freguesia de Benfica e a adesão popular à mesma diz tudo o que preciso saber acerca de quem são os bons da fita neste contencioso criado por um grupo de farmácias locais movidas pela simples dor de cotovelo ou pelo apelo da inércia de quem ganha balúrdios e não precisa por isso de mexer uma palha.

 

É a tal história portuga de fazer a vida negra a todos quantos façam mais e melhor porque servem como termo de comparação para os outros, os menos aptos, e deixam-nos expostos na sua menoridade.

 

A fazerem má figura.

publicado por shark às 13:35 | linque da posta | sou todo ouvidos