A POSTA ÍNTIMA (À CAP)

tuqfumas.jpg

A ideia não é original. Foi ao CAP do (RE)PRIMADESBLOG que a pedi emprestada. Ele decidiu dar a conhecer ao mundo uma parcela do armário do seu wc. Eu optei por uma fracção do tampo da minha mesa na esplanada.
Parece que estas fotos não dizem nada acerca de nós, mas isso só ocorre a observadores mais desatentos. O manancial de informação é tanto que quase se compromete o anonimato de uma pessoa. Senão, vejamos a gravura anexa.

De chofre: o gajo fuma e não é abstémio. O gajo sou eu e os pressupostos são verdadeiros. Mas há mais. O gajo fuma tabaco de enrolar. Huummm... E usa isqueiro da Bic, o que denuncia a sua exposição à publicidade dos anos setenta (bic laranja para escrita fina, bic cristal para escrita normal) e a sua preferência por isqueiros que se aguentem à bronca em operações de queima mais prolongadas. Huummm...

E bebe cerveja, o gajo. Super Bock, claro (mas preta bebo Sagres). Se bebo, não deverei ser muçulmano. Não sou. Sou agnóstico e isso confere-me algum espaço de manobra sempre que está em causa um pecado terreno. E sim, adoro esplanadas. Donde se conclui que aprecio a vida ao ar livre, pelo que chamo a atenção do pai natal para a urgência de um computador portátil que me permita blogar fora de recintos fechados. Sou um nadinha claustrofóbico também. Quando era pequeno fiquei muitas vezes encravado em ascensores. Isso denuncia-me como um gajo da cidade, classe média, vulnerável a traumas de infância e, por consequência, fragilizado na estrutura emocional. Não tarda nada ficarei desnudo perante vós...

Olhemos de novo para a gravura anexa. Que é aquela coisa encarnada lá atrás? Um sinal inequívoco do meu benfiquismo? Também. Mas sobretudo, uma prova de que recorro a bolsas de cintura para substituir os inúmeros bolsos de que necessitaria para guardar chaves, carteira e outras bugigangas de natureza pessoal. Um gajo prevenido vale por dois. Sou alto mas nem tanto. Ainda assim, calço sapatos com o número 44. Uma autêntica barbatana, o que joga certo com a morfologia de um tubarão. O que implica que existe um inegável fundo de verdade no que afirmei.
Agora, olhem com mais atenção para a foto com que o cap mostrou a ponta do icebergue. Pistas all over (olha, o gajo - que sou eu - fala inglês). E depois olhem outra vez para o meu striptease parcial. Digam lá se não é fácil tirar um porradão de conclusões. Digam, vá!

cap.bmp
publicado por shark às 09:40 | linque da posta