MORO DENTRO DE TI

heavens gate.JPG
Foto: sharkinho

No aconchego do teu abraço que me absorve até nada sobrar de mim no exterior, como um chupão avassalador. Mergulhado no calor de um momento extraordinário, no recolhimento do santuário que a natureza me ofereceu nesse corpo adorado de mulher que é o teu.
Acolhes-me em ti com tapete vermelho, a cor do desejo que me convida a entrar. Na tua ala privada, na casa assombrada pelo espírito da paixão. No meu coração e na tua cabeça, a minha tesão e a tua pertença, ilusória, apenas na memória do instante em que o tempo exija parar. Na minha emoção descontrolada e na tua satisfação estampada no sorriso meigo que me dedicas, mais esse olhar com que espevitas a minha vontade de ficar.

Um pouco mais, a saborear os teus dotes naturais de sublime anfitriã. A porta de entrada, sagrada, que a minha língua invade com pezinhos de lã. Aberta para mim, disponível. Uma jóia incrível que beijo como o mais precioso dos bens, aquilo que tens. Entre as pernas em brasa, a vertigem de uma casa no cone de um vulcão.
E eu convidado, num evento privado que é uma festa a dois. Dançamos depois, o samba ritmado de um corpo suado pela dor com prazer. Amor a valer, aberta também a porta das traseiras que dá para o jardim.

Já fora de mim, espojado nas flores, regalado pelas cores que se pintam no fim. Daquela visita guiada, à tua acolhedora entrada para um mundo onde reina a soberana perfeição. Rainha desta nação que é a minha nessa altura porque fala a mesma língua quando a tua me procura.
A força que me anima no agrado da tua expressão, acontece a erupção e somos projectados para o céu, abençoados em vida pelo paraíso que deve ser tal e qual. Ou mesmo igual, se não inventarem melhor.

Percorro-te entretanto com os dedos para afastar o temor do pior castigo.
Sentir-me um sem-abrigo, ao relento da saudade quando regressa a vontade de bater à tua porta ou de entrar na tua boca, como quem se esgueira pela janela para escapar ao frio do exterior.

Ofereço-te amor nas palavras que escutas em troca do telhado que por vezes me facultas.
Na pele de inquilino e com poderes para o acto formalizo o pedido de renovação do contrato.

Nesta carta registada onde ponho tudo a nu, a minha morada de sonho és tu.
publicado por shark às 12:49 | linque da posta