TRANSPARÊNCIA SALOIA

Um guarda-prisional de nome Jorge Alves, presumo que em representação da classe, foi hoje entrevistado num dos blocos noticiosos do canal público de televisão.

Em causa está a iminência de uma greve e, naturalmente, o pivô das notícias questionou o entrevistado acerca das possíveis consequências de uma paralisação no sector. E ao outro só ocorreu o transtorno de não poderem acontecer as visitas aos reclusos. E acrescentou a explicação, para mim tão elucidativa que me abstenho de comentar e deixo ao vosso critério as conclusões.

 

Então dizia, mais coisa menos coisa, o guarda-prisional que sustentamos com os nossos impostos num noticiário de um canal televisivo onde pingam chorudas maquias do mesmo "saco" que trabalhamos para encher: se privarmos os reclusos das visitas e sabendo que isso lhes impede o acesso à droga, é impossível prever a reacção da população prisional.

 

Podem ver aqui a coisa e depois digam-me se percebi mal...

publicado por shark às 12:01 | linque da posta | sou todo ouvidos