QUANTO MAIS PUDERES

Esse dia pode chegar sem aviso, a pretexto de um susto sério, de uma paixão inesperada ou apenas de um instante de lucidez. De repente parece que vês mais claro, descobres em ti uma força motriz que te empurra para as soluções certas e para as medidas concretas que te vês na iminência de adoptar.

Descobres no fundo que tudo na vida é tão simples quando reduzido ao mínimo denominador comum, à essência, às coisas que verdadeiramente possam interessar. Agora e amanhã, quando os balanços se fazem às coisas que se perderam por desleixo, por cobardia, por preguiça ou apenas porque optámos pelo caminho pior.
 
Essa visão aguçada surge-te quando menos o esperas, apanha-te nas curvas e pode arrastar-te para um processo de mudança irreversível que se permites descontrolado pode isolar-te de quem te rodeia por de repente deixarem de te (re)conhecer. Ou porque te hostilizam, radical, por enfrentares aquilo que entendes como um mal e sabes, ou intuis, não servir o firme propósito de seres feliz apenas porque sim e de contagiares os que te aceitem tal como és, mesmo depois de se fazerem sentir as diferenças e os sinais da mudança que exiges positiva para seja quem for essa gente em teu redor porque te queres amado pelo original e nunca pelo arquétipo de perfeição que jamais te serviu.
 
Tudo tão simples aos mesmos olhos com que viste alguém que um dia fizeste chorar com pena da tua cegueira emocional, os mesmos olhos que fechaste para não veres e não sentires aquilo que te dizem proibido por não ser assim que se faz. A fuga em frente que adivinhas fracassada no duelo entre a razão disparatada e o coração que te diz nada ser impossível quando tudo o que fazes ou dizes provém de uma pessoa equilibrada e feliz, espontânea e sincera, encaminhada pelo bom senso mas conduzida pelo amor. Renegas tal opção por instinto, depois de descoberta a verdade que se inclui a si própria no caderno de encargos das tuas atitudes futuras, da obra que queiras executar na existência de que ainda ontem restava algo mais para usufruir.
 
Esse dia pode chegar e tu não te podes pensar vacinado contra as suas consequências, preparado para todas as inerências de uma pequena revolução interior. Sobretudo não te julgues capaz de dominar o amor que se sabe selvagem e não admite jamais qualquer tipo de restrição ao que aconteça no coração só por usares também a cabeça. O preço que terás a pagar será proporcional à dimensão da asneira e oxalá tenhas uma vida inteira para a lamentar. Nem isso te garante o mesmo destino generoso que te ofereça de bandeja os dilemas que te obriguem a pensar apenas depois de avaliar o quanto de importante representam para te sentires feliz, o tal propósito tão firme que irradias quando defendes com toda a mestria uma decisão que conheces de antemão acertada.
Porque já se encontra filtrada pelos meios de que dispões e não deves nunca desperdiçar.
 
E não podes, de todo, ignorar a necessidade de te provares uma pessoa melhor, de lutares pela credibilidade da tua argumentação entregando-te de alma e coração, sem mentiras ou jogos hipócritas, com o recurso à verdade como a vês e que reflecte aquilo que és e não um simples refém de uma condição que acabas por descobrir excessiva no grau de exigência. Elimina os pesos na consciência com a ausência de gravidade no quadrante em que te situas porque sabes os passos a dar, incluindo as contrapartidas razoáveis e as garantias viáveis, e não descuidas a vontade de demonstrar o quanto é simples e bela uma vida isenta de deslealdade ou traição, bem assentes os pés no chão para afastar os fantasmas que os excessos ou os medos desnecessários possam produzir.
 
Um dia descobres que não deves fugir dos outros para poderes escapar a ti próprio quando te percebes encurralado entre decisões que precisas mesmo de tomar e sabes, ou intuis, que podem ser vitais para as tuas hipóteses de perseguires com sucesso o único objectivo que faz sentido sempre que avalias o teu papel no tempo de que possas dispor para o alcançar.
 
Um dia decides amar de uma forma incondicional, pura e genuína.

E é esse o dia em que acreditas possível a felicidade total, daquela que perdura, cristalina.

publicado por shark às 21:21 | linque da posta