AS MINHAS MERDINHAS

Há muito percebi que ninguém é perfeito. E embora tenha demorado mais um nadinha, acabei por conseguir perceber-me nessa condição.

Foi um choque, admito, dar conta da quantidade de sinais da minha imperfeição. Levei algum tempo a digerir a desilusão, mas ultrapassei o problema.
Como?
Tomei a firme decisão de me esforçar por compensar com aquilo que tenho de melhor quem, vá-se lá saber porquê, ao longo do caminho tivesse que me aturar as impurezas.
Nem sempre basta, essa espécie de compensação, também já o aprendi à minha custa e de outras pessoas. Mas é a minha forma de não baixar os braços, de não me acomodar à garantia de im(p)unidade baseada na solidez aparente de uma ligação emocional. É do que disponho por ausência de alternativas.
Sou, nas minhas grandezas e misérias, um gajo que tenta equilibrar a parada. Tento fazer tudo onde outros dão nada. Tento fazer com que valham a pena o tempo e a emoção investidos em mim.
 
Por isso, e só por isso, me sinto no direito de exigir que respeitem e tenham em conta as minhas merdinhas.
publicado por shark às 22:24 | linque da posta