O GOLPE DE MISERICÓRDIA

Tem o seu quê de irónico, esta expressão, mas exprime bem a realidade da estocada final que alguém aplica a outrem ou a algo para acabar com a sua miséria.

Aplica-se ainda melhor às relações entre as pessoas.

No meu caso concreto, basta por exemplo que alguém comigo relacionado divulgue publicamente a sua falta de vontade de me ver.

Existem várias formas de o fazer, mas a blogosfera é um palco privilegiado para essas entrelinhas que passam por pormenores tão aparentemente insignificantes como as pessoas estarem distantes e fazerem alarde da sua indiferença olímpica perante a possibilidade de estarem próximas de mim, nem que apenas para tomarem um café.

 

São gestos de ruptura definitivos, como os entendo enquanto partilhados com a multidão para se travestirem em humilhações, e julgo que ninguém poderá censurar-me tal interpretação. Sobretudo quando é de falsos pressupostos que se trata, de uma estima alegada que não passa de (mais) um fait divers para arranjar assunto para um post e pouco mais.

 

Eu tenho muita dificuldade em deixar cair as pessoas.

Mas faço-o sem custo quando são elas a espetar-me no focinho a tesoura.

Tags:
publicado por shark às 23:09 | linque da posta