Tiros no escuro

Apenas o anseio e a esperança, o receio de que uma cega confiança possa induzir uma euforia que venha a produzir uma desilusão profunda no futuro de qualquer amor. O risco a correr de olhos fechados, sempre a esquecer desgostos passados que sabemos injustos quando assumidos como lições.
Afinal as emoções são formatadas de acordo com o perfil de cada pessoa, seja má ou seja boa, mais a experiência de um presente onde o futuro se esboça e o passado que não se esqueça nunca arranja lugar.
A vontade de ultrapassar hesitações por muito que se encontrem razões em sentido contrário num percurso temerário pela aventura emocional, um impulso irracional que nos move para diante, um sobressalto constante que nos realça a dimensão das coisas do coração numa vida que valha a pena.

A entrada imprevista em cena da paixão protagonista que altera o guião e obriga a esquecer as reservas que possamos ter, amnésia necessária para impedir que a nossa história influencie de forma prejudicial e intuímos fundamental para dar uma oportunidade ao amor de verdade, à maneira, que só assim se faz.

Sem lhe pregar uma rasteira por estarmos sempre de pé atrás.
publicado por shark às 00:04 | linque da posta | sou todo ouvidos