A PARTIR DE TI

desconhecida.jpg

Como um sopro quente do vento suão recebo no meu rosto a respiração ofegante que te denuncia a vontade de ir mais além.

Como a passagem da corrente que magnetiza o metal, recebe no teu ventre a carícia dos meus lábios que se colam à delícia dessa pele fundamental.

Para a minha sobrevivência nesta curta existência que nunca concebi sem me sentir próximo de ti e daquilo que representas nesse trono onde assentas um estatuto que te aproxima da perfeição.

Como um Inverno gelado num ermo isolado recebo no peito a intempérie impiedosa da tua ausência que me tolhe incapaz de prosseguir.

Como a aragem da madrugada que fustiga naquela estrada o viajante solitário sentado à espera da boleia para um destino qualquer, mais próximo do céu.

Para junto de uma mulher que nunca conheceu.
publicado por shark às 10:57 | linque da posta | sou todo ouvidos