SIM SENHORES (1)

A confirmarem-se as previsões de todos os canais televisivos, corroboradas pelas primeiras reacções oficiais de partidos e de movimentos envolvidos no referendo, o SIM terá obtido uma vitória sem contestação no referendo e a abstenção acabou por não atingir (se considerarmos a abstenção técnica de cerca de 7%) valores tão elevados como se previram ao longo do dia.

Primeiras questões que me ocorrem:

- Ribeiro e Castro acaba de ver mais um prego espetado no seu caixão político enquanto líder do CDS/PP;
- Embora o PSD não tenha assumido uma posição oficial relativamente ao assunto, o seu líder deu a cara em acções de campanha e terá que assumir consequências políticas desta derrota.

Mas essas são questões marginais, porquanto inevitáveis, pois não se tratou de um plebiscito de natureza político-partidária.
A Igreja Católica, o verdadeiro motor por detrás da campanha do Não - assumam-no ou nem por isso - terá que extrair as suas conclusões na sequência deste desaire num país com "90% de católicos".
O Governo deste país terá que assumir sem demora as decisões emergentes deste resultado, nomeadamente as que garantam a capacidade de resposta do Sistema de Saúde e a implementação séria da Educação Sexual nas escolas, bem como os imprescindíveis mecanismos de aconselhamento e apoio às pessoas que passam a recorrer a uma assistência médica condigna nas circunstâncias que este referendo institui.

Ainda hoje voltarei ao assunto.
publicado por shark às 20:34 | linque da posta | sou todo ouvidos