UMA QUESTÃO DE COERÊNCIA

Estranhei o seu discurso vincadamente ateísta enquanto manuseava o busca-pólos na instalação eléctrica que lhe pedi para verificar depois de várias lâmpadas fundirem sem explicação.

Só se fez luz quando reparei no seu sorriso rasgado no topo do escadote de alumínio enquanto mirava na estante a lombada lustrosa das Obras Poéticas de Nicolau Tolentino...
publicado por shark às 11:00 | linque da posta | sou todo ouvidos