QUERO MAIS

São os seios que explodem nos meus olhos ou apenas o som quente de uma voz diferente que actua como rastilho da imaginação.
E eu transformo-me feiticeiro no amante que o mundo inteiro reclama, um corpo possante numa cama onde se sonha cada uma das mulheres que me queiram ou desejo possuír.

Mãos cheias de peles macias na tesão de fantasias arrojadas onde a minha imagem se transfigura na de um mestre do prazer.
Mulheres arrebatadas pelo toque incandescente da minha língua e pelo apelo irresistível do meu porte viril. À mercê da minha vontade insana de satisfazer, servil, cada uma das suas propostas de fêmea descontrolada pela sede de se sentir amada enquanto o seu corpo desfalece nos meus braços em orgasmos múltiplos gritados pelo meu primeiro nome.

E eu mato a fome de macho tentador, prisioneiro e libertador de forças poderosas nas mentes libidinosas concentradas no meu desempenho. Cada toque convertido num intenso arrepio. Aceito qualquer desafio, boca no peito e fogo no olhar que despe a alma de preconceito e a toma de assalto, conquistando o derradeiro bastião da resistência inútil ao meu encanto sedutor.

O sexo e o amor, lado a lado, o fulgor assim beijado que alterna entre a força masculina e o culto meigo da vagina no trono no topo do mais imponente pedestal.
Cada amante uma rainha que exige ser a minha no instante em que tombam como pétalas as suas vestes no chão. A pista de uma valsa palaciana ou de uma salsa mundana, ou em cima daquele leito a música das bocas que se absorvem como loucas e gemem as notas finais de um tango bem dançado, pelas ancas agarrado o meu par a quem só apetece gritar não pares agora.

E o meu corpo que devora, fantasia minha, o desejo proibido da menina que o meu beijo incendiário desperta no corpo da mulher. Tudo aquilo que ela quer num homem a sério, tal e qual me sonhei. Aquilo que lhe dei, retribuido. O prazer bem repartido em sessões contínuas de satisfação, o meu troféu de machão naquelas nádegas apalpadas com vigor.

O olhar lânguido depois da entrega total ao instinto animal que correu pela floresta florida no auge de uma festa despida. E a fragrância no ar dos corpos a latejar, os ecos de mil emoções e as inesperadas sensações que brotam espontâneas nos sorrisos cúmplices que trocamos sob a luz envergonhada de um nascer do sol.

E eu cubro com o lençol aquele tesouro adormecido e depois parto enamorado em busca de outra marca assinalada no mapa da viagem sonhada ao mundo das riquezas sem fim que as mulheres constituem para mim.
publicado por shark às 16:40 | linque da posta | sou todo ouvidos