ALGODÃO DOCE

nova luz.JPG
Foto: Shark

Um dos aspectos que mais me ajudam a tolerar a temperatura baixa destes meses “do Norte” é a ausência de monotonia no céu.
Aquele azul imenso, calor intenso, dos dias quentes e limpos do Verão dá lugar a um cenário recortado em pedaços de algodão doce para o olhar. Padrões aleatórios de nuvens a ornamentar o fundo em todo o horizonte visual, ao sabor dos caprichos do vento e da influência da luz.

A luz é outra nestes dias brilhantes da estação agasalhada, constipada pelo frio que entra pelas mesmas frinchas das janelas onde meses antes acolhemos com agrado uma brisa que faz toda a diferença quando nos arrefece o suor que a canícula borrifou na pele a ferver.
Gosto da luz do Outono, mais límpida, mais genuína do que aquela que nos ilumina filtrada pelo efeito do calor.

Coisas simples, afinal, as que distinguem os dias uns dos outros e quebram a rotina das sensações primárias que o corpo e a mente processam enquanto sentimos a vida a passar nos dias que recuso iguais aos anteriores e aos que (eventualmente) virão depois.

Gosto da luz do Outono porque me oferece a diferença que preciso reconhecer, em cada dia, no brilho dos olhares que amo ou na forma das sombras desenhadas no chão.
publicado por shark às 16:02 | linque da posta | sou todo ouvidos