PERFUME DE MULHER

Era a única gaja num grupo de doze marmanjos cheios de andamento. Eu fazia parte da pandilha, mas nunca lhe ligara enquanto fêmea da espécie. O meu olhar perdia-se sempre nos alvos por detrás do seu ombro e afinal ela era da malta, semi-intocável por inerência.
Um dia, por mero acaso, calhou ficar diante de mim na mesa da esplanada onde começávamos a noite por volta das cinco da tarde a toque de imperial e falámos os dois até nos doer a voz.

Não foi o cabelo negro, nem os olhos de um verde impossível, nem a voz rouca e sensual.

O que bateu mesmo, o que me hipnotizou (e ainda hoje me delicia a memória olfactiva) foi a mistura explosiva do seu Opium com o cheiro da maresia na praia onde nessa mesma noite fizemos amor pela primeira vez.

Nota: O título da posta corresponde ao de um dos filmes (Scent of a Woman) que mais me impressionaram até esta data. Al Pacino enorme!
publicado por shark às 22:16 | linque da posta | sou todo ouvidos