EU NO MEU BLOGUE

É espantosa a habilidade de um blogue para nos arrancar à força palavras e imagens do baú secreto das emoções. Um blogue é como um amigo traidor, desvenda-nos os segredos depois de se apoderar da nossa consciência, impele-nos a confessar os desejos secretos e os anseios que mais discretos gostaríamos de conservar.
Um blogue põe-nos a falar, sozinhos, para uma plateia difusa na maioria composta por gente sem qualquer espécie de interesse na pessoa por detrás desta sua representação virtual.

Um blogue é indiscreto, coscuvilha. É uma autêntica armadilha para quem dispensa a razão. Só fala o coração, alegria ou tristeza, a permanente incerteza que nos move ao longo de um caminho pautado pela esperança como pela desilusão.
A estranha sensação da janela aberta de par em par, sentir o cheiro da madrugada ou saltar para o vazio num derradeiro arrepio da nossa fraqueza que se expõe a quem a pretenda explorar.
Pedidos de socorro floreados, os medos abafados nas palavras que outros interpretarão de acordo com a sua sensibilidade peculiar. Ou com a vontade de magoar aqueles que hostilizam ou deixam de repente de lhes servir um propósito qualquer.

Um blogue é como uma mulher matreira, desconfiada mas traiçoeira, que nos arrasta com frieza para o caminho pior. Assiste impávido à degradação da pessoa que o constrói, à medida em que lhe destrói as defesas e lhe revela as tristezas que preferiria esconder.
Sempre a fingir, para evitar o óbvio. Adepto da charada, da prosa equivocada que actua como um bumerangue letal. O sim quando se queria dizer não e a recíproca verdadeira.
O palco da asneira que instiga a toda a hora, sincero na maneira como nos desmascara diante de quem aguarda o seu quinhão, a derradeira dentada nos despojos que um bando de hienas disputa nas entranhas da nossa percepção.

O certo e o errado, tudo misturado nos confusos meandros da adivinha e da especulação.
As duras consequências à luz das evidências que não se podem disfarçar.

Eu amo o meu blogue.

Tanto quanto o consigo odiar.
publicado por shark às 17:34 | linque da posta | sou todo ouvidos