POSTA MISTA

urbano depressao.jpg
Foto: Shark

Acabou de beber a cerveja e depois reagiu como se tivesse emborcado um copo cheio de lágrimas.
Ninguém na esplanada reagiu. Alguns desviaram por instantes a vista do jornal, dois ou três pararam de vaguear com os olhos enquanto falavam pelo telemóvel e concentraram por instantes a atenção naquela figurinha. Mas a maioria nem reparou ou apenas fez de conta.

Deixou sobre a mesa duas notas. Só uma servia para pagar a despesa. A outra, soube-se depois do sucedido, era a factura individual apresentada ao mundo como o valor residual de um aluguer de longa duração cujo prazo chegara ao fim. Encurtara, logo a seguir ao ruído assustador do chiar de travões alguns metros adiante, no extremo da rua. O som seco de um baque, mais o que pareceu a alguns um grito.
Uns zunzuns, o dono do estabelecimento a espreitar o aglomerado de mirones, passados uns minutos chegou uma ambulância que acabou por se ir embora e a pequena multidão dispersou.

Alguns comentários e meia dúzia de esgares de consternação depois, alguém quebrou o silêncio encomendando uma tosta mista.

Sem manteiga, por favor.
publicado por shark às 22:10 | linque da posta | sou todo ouvidos