Quarta-feira, 22.02.12

A POSTA NA HOMENAGEM SINGELA AO DEPUTADO DESCONHECIDO

em silêncio

Foto: Shark

publicado por shark às 00:03 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (1)
Terça-feira, 21.02.12

COMEÇAM POR DESABAR AOS POUCOS

Via naquela casa esventrada uma pessoa abandonada pela sorte à sua e que afinal era nenhuma.

Via nos sulcos escavados pelo tempo na fachada as rugas de uma pessoa envelhecida, algures esquecida, à espera do regresso de um irmão imaginário ou de um amigo ilusório para ludibriar a solidão.

Via nas janelas escancaradas, por detrás, os farrapos de cortinas deixadas ao vento, como almas fustigadas pelo tempo até preferirem nem se verem espelhadas naquelas janelas como se fossem elas os olhares de pessoas que via, imaginadas, pessoas escondidas por detrás das cortinas para poderem espreitar a vida dos outros a passar pela sua.

Via essa vida no meio da rua, presente, e tentava transportá-la com a sua mente para aquela casa abandonada, a falsa memória de uma vida passada em todas aquelas divisões coloridas em tons desmaiados pela luz encoberta do sol.

Quase ouvia cantar um rouxinol preso na gaiola agora desmantelada, patética, presa a um pedaço de parede por cair daquela casa deixada ali para morrer. A realidade que não queria enfrentar enquanto sonhava que via naquela casa destruída uma pessoa cheia de vida que a sua mente, crueldade, converteu numa imensa saudade para preencher o vazio criado, de repente, sem saber que deixava pendente uma vida a necessitar de reparações, uma alma esfarrapada por emoções como a que via no espelho, por detrás dos seus olhos encharcados pelas ordens de despejo ali reflectidas.

 

Sentia que com as almas deixadas ao relento, como as das casas abandonadas ao tempo, também as pessoas podem acabar demolidas.

publicado por shark às 17:51 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)
Sexta-feira, 17.02.12

RECICLAGEM

material de construção

Foto: Shark

publicado por shark às 23:49 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (10)

A POSTA QUE A SORTE É DALTÓNICA

A nostalgia pode muito bem estar a tomar conta da ocorrência, mas eu gostava imenso daquela cena dos furos em que a escolha do furo certo podia implicar a libertação de uma bolinha com a cor certa, a da tablete colossal como parecia a quem não a podia comprar de outra forma. Claro que a bolinha prateada era agulha num palheiro de bolas verdes ou de outras, azaradas, que só nos permitiam um prémio de consolação doce que não bastava para compensar o amargo de boca no olhar para aquela que parecia sempre destinada a sair aos outros.

E claro que na essência as máquinas modernas que não se furam mas gira-se a manivela para sair sempre uma bola de plástico com um papel da cor dos chocolates mais farsolas do mostruário tentador são diferentes mas o resultado final acaba por ser o mesmo, a fava multiplicada por cem e o brinde a sério reservado, às tantas, para outro azarado convicto que nesse dia entende baralhar a sua estatística pessoal.

 

Eu preferia as caixas dos furos, confesso. Logo à partida porque inspiravam um ritual de conexão entre fornecedor e cliente, um momento mágico que nascia da cautela do dono da taberna ou do café para impedir que os mais atrevidos furassem mais do que pagavam a ver se no meio da confusão podiam reclamar a mais favorável das bolinhas às cores saídas mas parecia brotar daquela ligação imediata entre o furador esperançado e o  comerciante que tomava partidos e torcia, porque lhe era igual ao litro.

É pá, calhou-te outra vez um rebuçado! Ainda há bocado veio a chata da Ernestina e tirou uma Comacompão…

Logo essa, a minha preferida e que se esteve alguma vez próxima de um pão foi de passagem para o seu destino solitário no meu interior. Aquilo doía fundo, mas uma pessoa acreditava-se capaz de vencer as ernestinas do mundo inteiro na próxima, naquele furo de sorte que um dia, pela insistência, haveria de acontecer.

 

As novas máquinas automáticas não permitem a batota e retiram à coisa uma parte da sua mística, pois o dono não precisa de controlar a situação excepto quando a moeda encrava.

Mas o dono da papelaria, mesmo com a atenção repartida pelos apostadores do euromilhões a quem ia registando as fezadas, arranjava sempre um instante para o esgar de contrariedade por ter calhado outra vez um chocolate minúsculo de entre os Milka gigantescos reservados para os mais felizardos na escolha feita pela máquina (outra das perdas que o progresso implicou).

E às vezes até contava a história da senhora do cinco rés-do-chão que tinha tirado um chocolatão que os nossos olhos nunca viam sair a alguém.

 

O senhor da papelaria, marido, pai e avô, tentava à sua maneira recriar o tal ritual do tempo jurássico das caixas dos furos, parecia um tipo porreiro.

E tenho a certeza de que hoje iria torcer o nariz quando lesse na sua banca a notícia do homem, marido, pai e avô que ontem apareceu morto na Bobadela junto à linha do comboio, por entre o seu olhar de esguelha para o tom do papel calhado em sorte a alguém.

 

Mas foi mesmo ele a quem saiu desta vez a pior cor.

Tags:
publicado por shark às 17:25 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (3)
Quarta-feira, 15.02.12

PALAVRAS CLANDESTINAS

Aprendi à minha custa que até a liberdade de expressão é sempre relativa, já que depois de descoberto o efeito bumerangue das palavras até um olhar indiscreto pode funcionar como mordaça.

Tags:
publicado por shark às 14:44 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (3)

BRANDY VINTAGE

fine macieira

Foto: Shark

publicado por shark às 09:44 | linque da posta | sou todo ouvidos

A POSTA NUM SPAM VERY ISPERTO

Você está em necessidade de um urgente pessoal ou empréstimo de negócio? Nós oferecemos empréstimos a tanto negócios como indivíduos num índice baixo fixo de 3%. Nós também concedemos companhias mais longas de período.a de reembolso e indivíduos você agora pode solicitar empréstimos de $5.000 equivalente a $200,000,000. Você pode aplicar em ou dólares, euros ou libras e seu e-mail serão respondidos a dentro de 24-48 horas.

 A espécie considera

   Mrs Amber Williams
International Marketing Manager

Smart Finantial Ltd

publicado por shark às 09:14 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (3)
Domingo, 12.02.12

FLOWER POWER

papel florido

Foto: Shark

publicado por shark às 23:09 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (1)

A POSTA QUE É UMA MARAFILHA TÊ-LA

Avançamos com a ideia porque entendemos natural, porque sentimos que faz sentido, ou apenas porque sim. Mas nesse mesmo instante partilhamos a alegria, a euforia inigualável dessa revolução a caminho, com a noção dos riscos implícitos na que me parece ser a decisão mais importante da vida de alguém. Quando entendemos conceber um filho não sabemos da missa a metade em matéria dos riscos que aceitamos em conjunto com a missão que acabamos de abraçar e ainda por cima descobrimos ao longo do caminho que muitos desses riscos não desaparecem, antes se adaptam à fase da vida em evolução e acrescentam alguns que, muitos deles vindos de fora, ainda menos conseguimos controlar.

 

É a aposta de uma vida, em sentido literal. Quando as lágrimas de alegria nem encontram um caminho por entre o agigantar dos olhos que contemplam um filho pela primeira vez percebemos a verdadeira dimensão do que sentimos nos braços como o maior privilégio que um ser humano pode conceber.

Nada será igual no futuro de a quem compete agora, e no topo de qualquer prioridade, acautelar dois. E uma parte das novidades que aguardam quem veste a pele do progenitor consiste precisamente no cardápio dos riscos corridos que, em boa medida, passam pelos riscos que se deixam correr, pelas distracções, pelas omissões, pela negligência na protecção da cria que basta o instinto para nos incutir.

A nossa vida, tal como a experimentamos, assume-se directamente responsável por aquela outra que criámos e agora se expõe indefesa às múltiplas ameaças que até na própria casa se podem revelar e alimentam de tragédias evitáveis as parangonas.

 

O risco de ter um filho engloba todos os riscos que ele implica ao nível do quotidiano dos pais, nem sempre favorável à disponibilidade para o mais importante dos papéis, mais os que acarreta assumirmos os dos filhos como nossos, precisamente porque somos nós quem tem que os acautelar.

Contudo, todos os riscos que corremos, de forma voluntária ou não, fazem parte de uma existência normal e ainda que não sejam riscos calculados, porque impossíveis de avaliar, acabam por ser aceites e na maioria dos casos até parecem justificar-se.

 

E se existe um risco, ou um milhão, associado à decisão de criar um filho o meu exemplo pessoal pode muito bem somar-se aos estandartes de todos quantos afirmam com o mesmo brilho nos olhos que esse será sempre de entre os que se correm aquele que elegemos como o mais compensador.

publicado por shark às 17:14 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)
Sábado, 11.02.12

A POSTA QUE EU ACHO. EM TONS LARANJA E LAIVOS ROSADOS

Eu acho que dar importância à expressão “piegas” quando provinda da boca de um Primeiro-Ministro de uma nação mergulhada numa crise sem precedentes no tempo de vida dos portugueses a quem a dedicou é um desvio colossal da concentração necessária para cumprir à risca as instruções do ministro das finanças alemão (ou chinês, ou angolano, ou qualquer outro que se disponha a entrar com a massa) e tudo o resto são pintelhos a que nem um líder da oposição que se recusa a governar o país antes de 2015 (deve ter várias entorses agendadas até lá), numa abstenção violenta perante a gestão ruínosa como ele próprio a define, ousaria enfatizar nas suas intervenções tão discretas quanto inconsequentes.

publicado por shark às 19:41 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)
Segunda-feira, 06.02.12

(LIS)BOA TODOS OS DIAS

vermelho nos carris

Foto: Shark

publicado por shark às 14:30 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)
Domingo, 05.02.12

A POSTA FICCIONADA QUE QUALQUER SEMELHANÇA COM A REALIDADE É VIRTUAL

- Porra, pá, que isto da internet está a tornar-se muito desagradável.

- Então, que se passa?

- É a toda a hora e a todo instante, um gajo a ir por um caminho na Comunicação Social e eles a darem cabo de tudo e a irem por outro nas redes sociais e o caraças, pá. Isto é um inferno!

- Tem calma contigo, colega, isso é coisa que pode ser resolvida como temos feito nos outros canais de propaganda ao dispor.

- Pois, eu já ouvi falar de algumas alterações nesse sentido...

- Vês? É só uma questão de tempo até lhes cortarmos o pio, a intimidação produz efeitos extraordinários nas multidões mais apáticas. Basta irmos apertando o cerco, nem precisamos de fazer à descarada como nas ditaduras. E só por isso já nos distinguimos delas, as ditaduras.

- Tou a ver, é como arranjarmos pretextos de treta para matarmos pessoas nesses países. Pelo menos arranjamos os pretextos e isso faz a diferença.

- Claro que faz toda a diferença, isto de governar em democracia tem que ser gerido com mais inteligência. Por isso já estamos a tratar de obter pela lei, nisso da internet, o que os outros impõem pela força. E acabamos na mesma com a única oposição ao nosso esquema digna desse nome, que o líder da oposição institucional, mesmo a afirmar que estamos a destruir a Pátria, já deixou claro que só pretende o tacho lá mais para 2015. Até lá podemos partir à vontade que ele depois recolhe os cacos na boa. É limpinho. Até empresas privadas. E temos do nosso lado na forma de fazer as coisas o bom exemplo de uma liga de combate à pirataria, uma irmandade de fazer corar de inveja o Lord Nelson. São uma frota pequena, mas com nomes sonantes e muito empenhada!

- Nota-se a motivação, é?

- Não, nota-se o desespero de causa. Está mesmo muito empenhada. Mas isso não diminui o brilho do seu sentido de oportunidade. E juntando meia dúzia de caras conhecidas acaba por induzir o público a reconhecer legitimidade à coisa, o que acaba por nos abrir as portas para as podermos fechar.

- Realmente, silenciando esses poucos palermas da internet acaba-se a contestação que ainda resta. Só é pena eles depois ainda poderem recorrer aos sms para organizarem as suas caldeiradas, como fazem na Grécia e na Primavera Árabe...

- Ó colega, francamente... Então porque julgas que se fala de gente das secretas de alguma forma ligada às empresas do ramo?

publicado por shark às 18:12 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (8)

UM FRIO ILUMINADO

elvas ao sol

 

Foto: Shark

publicado por shark às 16:53 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)

A POSTA EM MAIS UMA BATALHA PERDIDA

Nem Salazar, esse homem austero e pouco dado a folias, seria capaz.

Mas da mesma seita que matou a Feira Popular não deveria surpreender o entusiasmo por repescarem, com a crise mascarada de pretexto, uma ideia peregrina que o seu antigo guru agora Presidente não fez vingar: matar o Entrudo.

 

Se há coisa que me deixa intrigado é a multiplicação de apoios ao fim de feriados, sobretudo quando provindos de trabalhadores por conta de outrem, precisamente aqueles que só têm a perder com a história.

Ao fim de um feriado, como os factos (e os números) cuidarão de provar, não corresponde necessariamente um aumento da produtividade do país mas apenas um aumento do número de horas de trabalho sem contrapartida na remuneração das pessoas. Dito por outras palavras, é uma medida que encaixa na perfeição nos interesses das entidades patronais e deita por terra mais uma conquista sacada a ferros na ressaca da revolução que tarda a acontecer outra vez.

 

À morte do Carnaval como o actual Governo tenciona decretar vão corresponder, isso sim, a agonia dos corsos que um pouco por todo o território animam as economias locais, a contrariedade dos mais foliões que nunca deixarão de sentir isto como uma perda, o desânimo de um povo que em tempos depressivos é cada vez mais privado dos recursos para sorrir.

O fim desta tradição integra-se na aniquilação sistemática de tudo quanto sirva de válvula de escape para o quotidiano medonho de quem enfrenta a pior crise em décadas, na destruição deliberada de prazeres populares que em nada servem os desígnios dos que vivem à custa da distribuição dos lucros que orientam agora todas as decisões dos lacaios de poderosos em desespero de causa.

 

Depois do dividir para reinar, essa receita infalível para o sucesso de poderes interesseiros que já vergou a unidade sindical e retalhou o espectro partidário à esquerda ao ponto de permitir, por duas vezes, a eleição de um candidato presidencial chamado Cavaco Silva, vem o quebrar da espinha a uma realidade que denominamos de classe trabalhadora.

Essa guerra sem quartel da finança oportunista contra tudo quanto se revelou hostil noutra conjuntura avança sobre um campo de batalha pejado de guerreiros sem alma, sem liderança, e também de cobardes seguidistas, desertores que tentam salvar a pele num clássico intemporal de traição.

E se a linguagem se torna belicista é precisamente porque às vezes o povo só acorda quando sente no rabo a picada das baionetas repressoras do inimigo.

 

Se ainda não sentiu, há razões para temer que tenha mesmo morrido.

publicado por shark às 15:46 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (3)
Sexta-feira, 03.02.12

SOLDADINHO DE CHUMBO

soldadinho de chumbo

 

Foto: Shark

publicado por shark às 22:54 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (1)

METROS DE VIDA

O homem mergulhado num mundo alcoolizado e a mulher que o segue com o olhar perdido naquilo que poderia ter sido mas já nem ousa ambicionar.

A mulher entediada com a vida pautada por rituais e o homem que a acompanha pelos caminhos habituais sem sorriso nos lábios nem chama no olhar.

O homem isolado num planeta desabitado e a mulher que o carrega pelos atalhos da vida sem ser por isso reconhecida na condição de amparo derradeiro, de tábua de salvação à deriva sem alguém que sobreviva para a justificar à superfície daquele mar que tudo afoga, esperanças, ilusões, memórias de campeões de um passado entretanto obliterado pela decadência etilizada, pela consciência entorpecida aos poucos até pouco ou nada interferir na passada titubeante ao longo do caminho para sítio nenhum.

A mulher desanimada com a vida marcada por horários que a orientam pelo meio de um estranho nevoeiro de desejos imaginários que compensam a realidade enfadonha tão diferente da que sonha, acordada, enquanto dura a caminhada lado a lado com um jovem que no passado a entusiasmou, o olhar vivaço que ela amou e agora parece ter desaparecido do rosto envelhecido daquele burguês adormecido durante a viagem para o local costumeiro onde gastam o dinheiro que algures preencheu o espaço dedicado pelo jovem apaixonado até nada restar naquele rosto, naquele olhar embaciado pela ausência do amor que entretanto esqueceu.

 

A vida que entretanto se perdeu, esbanjada por tudo aquilo que a manteve afastada do rumo original, descarrilada pela força da gravidade de acontecimentos imprevistos ou pelo desvio nos objectivos propostos que se transformaram em desgostos, em transporte público, ir e vir, das expressões em rostos privados da vontade de sorrir.

publicado por shark às 00:19 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (8)
Quinta-feira, 02.02.12

NOVA COLECÇÃO

nova coleção

 

Foto: Shark

publicado por shark às 23:59 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (10)

A POSTA QUE JÁ FOI ASSIM

Desde o princípio dos tempos blogueiros, um dos estilos mais apreciados foi sempre o que apela à atribuição mental de carapuças com base num exercício de maledicência em torno de um alvo com contornos difusos.

Será que se está a falar de fulano? Será que se está a referir a sicrana? Merda, isto parece mesmo acerca de mim...

 

Embora não esteja ao alcance de todos, a habilidade para enviar um recado subliminar a um ou mais pequenos ódios de estimação sem, paradoxalmente, lhes destapar a careca enfiando-lhes a carapuça constitui um esforço criativo digno de registo e merece, quando inteligente, a minha admiração.

Para construir uma posta dessa natureza, uma catapulta de palavras instalada numa fortaleza de rodeios em manhã de nevoeiro, são necessários alguns ingredientes difíceis de reunir num mesmo espaço (de tempo).

A receita deste cocktail de insultos que, depois dos 40 mil euros do médico que explicou a medicina a intelectuais mas algures foi sincero demais, tem caminho aberto para reconquistar um lugar ao sol em html, inclui uma colher de sopa de pachorra, cinco litros de emoção mal contida (convém manter em lume brando para não levantar fervura), dois dedos de testa bem medidos, um pacote de vocábulos fortes e originais mas de fácil digestão e uma pitada de humor para apimentar a coisa ao ponto de provocar um pequeno laivo de rubor no/na visado/a.

O pitéu é servido frio, em sintonia com uma das suas mais costumeiras motivações, como aperitivo para o banquete que resulta quando se encontram à mesa catedráticos/as ou como brinde surpresa.

 

Claro que este exercício de camuflagem de um ou mais alvos acaba por despertar interesse a um grupo restrito, nomeadamente o(s) visado(s), um reduzido séquito de fervorosos seguidores e, naturalmente, o próprio autor da coisa. Este último, aliás, finge ignorar que o gozo obtido pode não passar de uma ilusão, a de que alguém irá entender pevas do que lhe pareceu um acto brilhante mas afinal resulta quase sempre falhado.

Contudo, a maioria das pessoas que blogam é composta por gente de fé.

 

A fé de que algures entre a meia dúzia de visitas desse dia tenha existido o leitor imprescindível para justificar que alguns escritos publicados não tivessem permanecido na gaveta de onde, em muitos casos, jamais deveriam ter saído.

Tags:
publicado por shark às 23:57 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)
Quarta-feira, 01.02.12

PASSARAZZI

passarazzi

Foto: Shark

publicado por shark às 00:11 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (6)

Sim, sou eu...

Mas alguém usa isto?

 

Postas mais frescas

Para cuscar

2017:

 J F M A M J J A S O N D

2016:

 J F M A M J J A S O N D

2015:

 J F M A M J J A S O N D

2014:

 J F M A M J J A S O N D

2013:

 J F M A M J J A S O N D

2012:

 J F M A M J J A S O N D

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

2008:

 J F M A M J J A S O N D

2007:

 J F M A M J J A S O N D

2006:

 J F M A M J J A S O N D

2005:

 J F M A M J J A S O N D

2004:

 J F M A M J J A S O N D

Tags

A verdade inconveniente

Já lá estão?

Berço de Ouro

BERÇO DE OURO

blogs SAPO