Terça-feira, 31.08.10

MAS SERÁ QUE O TIPO AINDA NÃO PERCEBEU?

O Dunga e o Maradona, duas figuras incomensuravelmente mais destacadas do futebol mundial, demitiram-se dos cargos de seleccionadores apesar de as suas equipas terem obtidos melhores resultados no Mundial de Futebol do que a selecção portuguesa...

publicado por shark às 10:15 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (5)
Segunda-feira, 30.08.10

FLOWER POWER

encanteiro
Foto: Shark

publicado por shark às 11:45 | linque da posta | sou todo ouvidos

A POSTA QUE NÃO DÁ

Há muitas maneiras de sentir e de viver emoções. Aliás, essa é uma das características que nos distinguem e costuma ser determinante, por exemplo, no acerto de agulhas que cada relação implica.

Tenho aprendido que saber dosear as emoções em função do seu peso nas outras pessoas é a única forma de acautelar desilusões. Isto porque os desequilíbrios emocionais, que cedo ou tarde se traduzem em conflitos ou, no mínimo, em danos na auto-estima de uns e na pachorra de outros são impossíveis de gerir sem perdas associadas.

 

Há pessoas que se deixam arrastar pela emoção porque só assim sentem que vale a pena. Outras apenas se permitem um ou outro momento de desvario nesse domínio e acabam por revelar uma incapacidade latente para sustentarem níveis elevados de paixão, de amizade ou de qualquer outro tipo de ligação que as obrigue (entre aspas) a cedências ou a qualquer outro tipo de concessão que deveria ser tido como normal no contexto de uma relação séria.

Não são melhores nem piores, uns e outros, mas é inegável que só por milagre se compatibilizam um vulcão e um icebergue sem que um derreta ou o outro arrefeça.

E isto aplica-se a qualquer tipo de ligação entre as pessoas, pois tendemos sempre a impor aos outros o nosso grau confortável de emocionalidade e acabamos por acicatar as divergências que daí resultam, uns demasiado frios e distantes, centrados em si próprios e em interesses tangíveis, outros demasiado intensos e exigentes na reciprocidade que entendem albergar também um esforço de compatibilização a que pessoas mais desprendidas jamais se predispõem.

 

Claro que tudo isto são teorias, coisas que uma pessoa vai elaborando a partir das suas experiências pessoais, da eterna aprendizagem que a vida nos impõe, muitas vezes à bruta, como contrapartida para os fracassos com que lidamos. Vale o que vale e pode explicar uma ou duas situações que nos magoem ou irritem, de pouco vale para outras pessoas e outras relações nas quais podem estar em causa factores completamente distintos dos que a forma de experimentar emoções pode criar entre as pessoas que entendam partilhá-las.

 

Mas ninguém me tira da cabeça a ideia de que não é viável, excepto em honrosas excepções que derivam de um amor mais sólido ou de uma amizade mais resistente, a compatibilização entre pessoas que vivam nos antípodas da emoção, quer isso se explique pelo percurso ou pelo feitio de cada um/a.

 

E qualquer teimosia, na maioria dos casos em que essa incompatibilidade exista, está condenada a uma derrota que apenas depende, nos termos e na rapidez com que aconteça, de factores tão aleatórios que nenhuma estratégia, nenhum cuidado, nenhum esforço podem evitar.

Tags:
publicado por shark às 11:03 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)

FORÇAS DO DESBLOQUEIO

Acaba hoje uma das mamas habituais das operadoras.

Telemóveis desbloqueados depressa e com bons modos.

E de borla no final da fidelização que é por causa das tosses.

publicado por shark às 09:48 | linque da posta | sou todo ouvidos

PIOR AINDA PARA QUEM VEIO DE FÉRIAS, EU SEI...

E pronto, por mais que uma pessoa tente evitar as segundas-feiras acabam sempre por dar à costa...

Tags:
publicado por shark às 09:45 | linque da posta | sou todo ouvidos
Domingo, 29.08.10

EU GOSTO DE ANIMAIS

bichana
Foto: Shark

publicado por shark às 19:58 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)
Sábado, 28.08.10

A ALQUIMIA DA APATIA

Em tempo de crise, uma farmácia da minha terra (Benfica) decidiu arregaçar as mangas e manter as portas abertas 24 horas por dia.

Contudo, mesmo sendo óbvia a utilidade de tal medida para a população e um excelente exemplo a seguir pela concorrência queixinhas, o aproveitamento descarado da (como de costume desajustada) legislação em vigor permitiu à concorrência invejosa e preguiçosa levar o Infarmed a proibir a manutenção desse horário de funcionamento da farmácia Uruguai, sita na avenida com o mesmo nome.

 

São estes exemplos os mais flagrantes de como nos estamos a tornar num país pequenino. Sempre que alguém apresenta uma ideia ou leva a cabo uma iniciativa excepcionais outros reagem de forma mesquinha, motivados pelo despeito, pela inveja ou apenas pela incapacidade assumida de conseguirem fazer igual ou melhor.

Estas forças de bloqueio da livre iniciativa reagem de forma corporativa com uma energia que não conseguem reunir para os esforços de sinal positivo como o da farmácia Uruguai.

E estranhamente a Lei portuguesa parece sempre facilitar a vida a estes empatas e assim acaba por fomentar a manutenção de velhos hábitos comodistas que, no caso concreto, implicam por exemplo a perda de uma oportunidade para criar mais postos de trabalho num sector que não é conhecido pela falta de meios financeiros para os manter e cuja missão é das mais importantes para a população de qualquer zona de um país.

 

Eu faço uma vénia à farmácia Uruguai, mesmo sabendo que o lucro pode ser o principal motor da sua iniciativa, pois a reacção da Junta de Freguesia de Benfica e a adesão popular à mesma diz tudo o que preciso saber acerca de quem são os bons da fita neste contencioso criado por um grupo de farmácias locais movidas pela simples dor de cotovelo ou pelo apelo da inércia de quem ganha balúrdios e não precisa por isso de mexer uma palha.

 

É a tal história portuga de fazer a vida negra a todos quantos façam mais e melhor porque servem como termo de comparação para os outros, os menos aptos, e deixam-nos expostos na sua menoridade.

 

A fazerem má figura.

publicado por shark às 13:35 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)
Sexta-feira, 27.08.10

NUNCA O FRANGO ESTEVE TÃO CARO

Só hoje me apercebi que o Roberto, guarda-redes do Benfica, ganha mais de 150 mil euros por mês.

publicado por shark às 15:53 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)
Quarta-feira, 25.08.10

EU GOSTO DE PESSOAS

mirones
Foto: Shark

publicado por shark às 20:55 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (7)
Segunda-feira, 23.08.10

HORROR SOBRE RODAS

Uma pessoa vê as imagens do inferno na auto-estrada que hoje ceifou, até ver, seis vidas incluindo as de duas crianças e não pode deixar de se interrogar se a cena de nos deslocarmos em caixas de metal movidas a combustíveis fósseis será assim tão boa ideia...

Tags:
publicado por shark às 23:12 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)

A POSTA NA JUSTIÇA NEANDERTAL

Estão a correr o mundo as imagens de uma aplicação prática (e extrema) do conceito de justiça popular tão fácil de defender no calor de uma revolta imediata da turba.

Dois irmãos, com 16 e 18 anos, foram mortos à paulada no Paquistão perante câmaras e testemunhas, alegadamente por terem assaltado e assassinado alguém. Se efectivamente roubaram e mataram só os intervenientes e respectivos cúmplices por omissão poderão garantir, mas para lá da indefensável execução sumária e com métodos da Idade da Pedra salienta-se o facto de as imagens agora divulgadas provarem a existência de agentes da autoridade no local.

E essa presença passiva denuncia por si só a maior ameaça que estes momentos de barbárie representam, a falência do Estado de Direito que mesmo com as suas fraquezas é a única força entre nós cidadãos e um simples equívoco popular que pode resultar em injustiças sem retorno possível.

 

Sim, quando sentimos na pele as consequências de um acto de violência, de um crime por parte de alguém, o impulso primário é o da justiça pelas próprias mãos. Mas depois há, deve mesmo haver, um contra-impulso que nos justifica humanos e impede que nos entreguemos ao lado animal e sejamos capazes de, fora do âmbito de um processo legal é disso que se trata, nos revelarmos tão ou mais cruéis do que os facínoras a quem impedimos de repetirem a proeza imitando-lhes o comportamento que justificará(?) a punição descontrolada por parte de uma multidão que, na maioria, nem terá conhecimento dos factos que dão origem aos linchamentos como o que motivou esta posta.

Há, deve haver, algum mecanismo que nos afaste destas tentações instantâneas de ignorar as regras que levaram séculos a aprimorar, as leis e assim, e que servem acima de tudo para nos afastar do mal pior que é arriscarmos a morte à paulada de miúdos sem lhes dar uma hipótese de argumentação ou de defesa, numa orgia colectiva de violência sustentada de forma precária pelo testemunho a quente seja de quem for.

 

Às vezes fazem falta estes exemplos de selvajaria para darmos o devido valor ao sistema criado para nos proteger dos outros.

E de nós próprios, como o exemplo em causa comprova.

publicado por shark às 10:00 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)

FLOWER POWER

flor de luz
Foto: Shark

publicado por shark às 00:33 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)
Domingo, 22.08.10

EXIT

Saía todos os dias para avançar no caminho, para dar mais um passinho rumo à felicidade que entendia fazer parte da prosperidade que perseguia como um burro, a cenoura imaginária no carro de luxo, potente, que o podia abraçar de repente com braços feitos facas afiadas no final de curvas mal calculadas à velocidade da vida como a decidira viver.

Saía todos os dias para se convencer da vitória, essa estranha sede de uma glória traduzida num apartamento bem situado, num bairro endinheirado onde se sentia entre iguais, todos eles em busca de mais daquilo que os movia, a fortuna que se dizia ao alcance dos mais capazes de acreditar nessa realidade e de encontrarem sempre mais vontade de subir esses degraus que permitiam definir posições e hierarquias, as decisões que certamente tomarias, invejoso ou invejosa dessa vida cor de rosa que não poderias jamais conhecer por detrás do tapume que verás sempre por baixo, à distância, para lá do muro protector do condomínio privado onde o amor se vê quase sempre relegado para experimentar amanhã ou depois.

 

Saía todos os dias à pressa para alcançar outro triunfo, a contrapartida chamada sucesso como o via na casa de praia que construía aos poucos em nome de outrem para evitar um problema fiscal, já não via como um mal a trapaça que antes sentia como uma ameaça à sua integridade agora perdida, a dignidade oferecida em troca de um alegado prémio de consolação que se assumia a mais forte emoção possível de cada dia no meio do cansaço visível que lhe marcava as feições, mesmo quando alimentava as ilusões de que comprava afectos com os sinais exteriores que lhe permitiam vangloriar-se perante a família de nunca faltar com nada a quem quisesse pedir, gente infeliz e mimada, incapaz de subsistir pelos seus meios ou de lutar por algo mais do que um qualquer bem adicional, um prémio imediato pela sua contribuição na imprescindível manutenção das aparências.

 

Saía todos os dias e imaginava uma reforma dourada, uma vida bem terminada num paraíso de transição para o céu que acreditava merecer até ao preciso instante em que um imprevisto enfarte lhe reduziu a cinzas a ambição que alimentava quando lhe destruiu no coração o pouco que ainda lá restava.

publicado por shark às 18:50 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)
Sábado, 21.08.10

UM DESABAFO LAMPIÃO

A melhor aquisição do FC Porto esta época foi a do novo guarda-redes do meu Benfica.

Tags:
publicado por shark às 22:26 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)

PAREDES MEIAS

O papel de parede florido começou a descolar, começou a descascar a fruta podre, estava por detrás uma parede esburacada pelo tempo e pelas infiltrações que a corroíam aos poucos e o papel, cheio de flores, conseguira até então esconder a quantidade tão imensa de humidade que se podia ali plantar um pequeno jardim.

 

Começou a perceber, por fim, a dimensão do equívoco quando do papel de parede florido já só restavam pequenos ramalhetes pendurados em pregos que antes haviam servido para as imagens entretanto amarelecidas de um tempo passado a fingir.

Só sobravam lembranças antigas de dias em que aquela casa sabia sorrir e as paredes pareciam canteiros e tudo era possível de ambicionar, um palácio até.

 

Canos ferrugentos à vista, como veias numa ferida aberta impossível de sarar. Aquela parede parecia possível reparar, mas não passariam de remendos que apenas adiariam, como o papel colado, adesivo, um final que não poderia ser feliz.

A parede degradada, apesar de disfarçada, não tinha salvação e agora a constatação era impossível de ignorar, o papel florido a destapar a gangrena interior e já jaziam murchas as suas flores aos pés da parede que cuspia agora aquela pele para que a deixassem morrer enfim.

 

Resistia a olhá-la assim, numa espécie de despedida, mas sabia que a vida não poderia continuar com a ferida a infectar e o tempo implacável a tornar cada vem mais inviável uma qualquer reparação, panaceia, parecia-lhe má ideia prolongar a vida daquela casa de uma forma artificial.

 

Acabaria afinal por montar uma tenda lá fora, incapaz de se afastar daquelas paredes que abraçara como refúgio e que justificavam um subterfúgio que o mantivesse por perto até que as ruínas desabassem sobre o seu sonho pueril e pusessem fim à esperança patética que alimentava no coração de que talvez ficando sozinhas aquelas paredes lograssem a sua regeneração.

Tags:
publicado por shark às 15:34 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)
Quinta-feira, 19.08.10

DIA MUNDIAL DA FOTOGRAFIA (3)

imparável
Foto: Shark

Tags:
publicado por shark às 23:07 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)

DIA MUNDIAL DA FOTOGRAFIA (2)

a praça alcobaça
Foto: Shark

publicado por shark às 22:38 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)

DIA MUNDIAL DA FOTOGRAFIA

manta de nuvens
Foto: Shark

Tags:
publicado por shark às 22:29 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)
Quarta-feira, 18.08.10

COMO COMBATER INCÊNDIOS COM A ÁGUA DO CAPOTE

Confrontado com o panorama em matéria de incêndios no nosso país, o Ministro da Administração Interna respondeu que sim, que este ano foi pior que os dois anteriores mas foi melhor do que os de 2003 e 2005.

 

Eu nem sei o que dizer perante este tipo de argumentação por parte de um dos fulanos a quem confiamos a gestão dos nossos interesses individuais e colectivos. Então agora é assim? Se o ano for mau em algum aspecto basta recuarmos até um ano pior e tudo bem como dantes? A coisa agora vai lá por comparação com o passado tão distante quanto necessário para encontrar pior e não se fazer tão má figura?

Para mim isto não passa de serradura mandada para os nossos olhos e com um desplante que me fascina pela candura na expressão com que o dito Ministro recitou a ladainha preparada por um dos seus assessores.

Ah, caíram dez edifícios por erros de planeamento e de construção? Não há problema, em 1976 e 1988 caíram doze.

Ah, o crime violento aumentou em relação ao ano anterior? Mas em 1864, se a memória não me falha, aumentou mais zero vírgula não sei quantos.

E pronto, ficamos todos mais descansados com base na velha filosofia do foi mau mas podia ter sido ou, neste caso, até já foi pior.

 

Já várias vezes aqui me afirmei pouco entusiasmado com a ideia de correr com Sócrates e o seu Governo, precisamente por não encontrar em nenhuma das alternativas chão firme para sonhar com melhorias. Porém, isso não me condiciona em termos de coerência quando me deparo com estes exemplos de mediocridade que podem vir do actual Executivo socialista como de qualquer outro, de qualquer cor.

E falo de mediocridade intelectual, de falta de estrutura, de arcaboiço, de frontalidade para lidar com situações que tresandam a uma soma de fracassos na aplicação das medidas que o tal passado recente de 2003 e 2005 recomendava e os factos comprovam na respectiva ineficácia ou ausência.

É isto que está em causa, seja qual for o governante em funções.

 

Ardeu mais? Temos que tomar medidas imediatas para que não se repita o problema, penalizar os responsáveis ineptos, punir com severidade os culpados directos e nunca, de modo algum, chutar para o canto da estatística o problema que se quer escamotear.

 

É feio, é triste. E deixa-me preocupado a sério com o futuro desta realidade colectiva que parece só atrair para os seus comandos gente que só serve para a abandalhar cada vez mais.

 

Mesmo que tenham abandalhado mais ainda em mil novecentos e picos...

publicado por shark às 11:40 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)
Segunda-feira, 16.08.10

ENTARDECER

envolvido
Foto: Shark

Tags:
publicado por shark às 19:38 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)

PARQUE JURÁSSICO

 

PALAVROSSAVRVS REX a 13 de Agosto de 2010 às 00:50

 

Vocês dois são uns completos cromos infantilóides. Por que não vão para um mictório comparar os pirilaus?

 

--/  /--

 

Este comentário, que encontrei no Pegada, prendeu a minha atenção por ser o comentário do mês (pelo menos do meu mês) porque conseguiu em meia dúzia de palavras levantar diversas questões da mais distinta natureza. Ou nem por isso, porque ainda há gajos que não acham natural essa cena de medir a olho as gaitas dos outros. Mas já vamos a essa importante temática.

 

A primeira coisa a saltar à vista é a espontaneidade absoluta da intervenção do nosso colega com nick jurássico, homem para espetar a sua trollitada muito bem identificada e isso não é coisa que encontremos todos os dias neste mundo virtual onde é tão fácil jogar às escondidas. Esteve bem, ao assumir a sua identidade virtual que aqui é a única de facto.

Depois há o tom seco e cru mas refinado. Notem o pormenor do mictório. Mictório não é palavra para qualquer um, denota o cuidado de quem dá a pancada à bruta mas não deixa de o tentar com luvas de pelica (sempre protege mais as unhas). E isso fica sempre bem, que nós somos gente civilizada, quase todos doutores, e a malta aprecia algum adorno no varapau.

 

E por falar em varapau salto já para o segmento do comentário que mais me suscitou a euforia mal contida que, por norma, acaba por resultar em postas sem jeito nenhum, como esta.

Pergunta então o nosso colega comentador porque não vão os dois cromos infantilóides (pelos vistos na perspectiva do REX a caderneta blogueira tem cromos repetidos) para um mictório comparar os pirilaus. E esta sugestão fez-me divagar acerca da estafada polémica do tamanho que conta mas afinal até nem conta muito porque o que interessa é o que se faz com ele (o pirilau, só para manter a coisa, o coiso, no contexto) e respectivas repercussões no desfecho final de uma contenda masculina.

Na verdade, qualquer homem sabe que o oponente pode não dar uma para a caixa ou ser um meia leca que não se aguenta com um atesto de porrada, mas se sacar de um pirilau de dimensões africanas ganha logo seja o que for que esteja em causa. O adversário sucumbe fulminado na hora, com o amor próprio nas ruas da amargura.

O REX, que é gajo, conhece a importância desse instrumento de medição da nossa capacidade enquanto homens. Claro que aqui levanta-se uma questão que não parece de todo irrelevante à primeira vista: o REX não equacionou a hipótese de estarem em causa dois pirilaus com exactamente o mesmo tamanho e isso, no contexto de um confronto másculo, deixa os contendores numa situação extremamente complicada pois todos sabemos, mesmo as moças que não frequentam esses espaços, que num mictório a rede é quase sempre péssima e nem a banda larga engrossa.

 

Contudo, apesar do sentido ser figurado, o desabafo do REX é pertinente porque toca com o dedo na ferida que é a mania de muitos blogueiros investirem o seu talento e a sua inteligência em ataques e contra-ataques cheios de linques, fulano disse AQUI aquilo que antes desdisse ALI e eu até já tinha escrito ALÉM algo que desmente o que podemos ler ACOLÁ. E uma pessoa vai seguindo os linques e às tantas já não há cu que aguente e vale mesmo a pena confirmar o calibre dos pirilaus para ver se é aí que reside o problema.

 

É disso que trata o dito comentário que não deu resposta mas já inspirou posta e por isso já deixou de ser um comentário qualquer. Claro que a profundidade deste escrito jamais roçará sequer a que conseguem atingir os detentores desse bacamarte verbal que eu próprio, na infância blogueira, me vi obrigado a manusear (leia-se palavrear).

 

Mas no meu caso concreto é porque a malta intui, e muito bem, que não vale a pena desafiar-me para certos comparativos e tive sempre que expor neste meio alternativo a potência, a dureza e, claro, a dimensão XXL do meu aríete intelectual.

publicado por shark às 17:06 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)

AMOR URBANO DE PENDOR MODERNO

Descobriram-se em simultâneo, numa troca de olhares ocasional. Como que hipnotizados, fixaram os olhos um no outro e sentiram por dentro o germinar de uma nova e poderosa emoção que não ousaram tentar reprimir.

O tempo, contudo, não parava de correr e eles sabiam mas apenas conseguiam contemplar aquela visão que os apanhara de surpresa e agora dominava tudo aquilo que os rodeava e afinal parecia apenas um cenário, um enquadramento perfeito para uma história de amor que parecia ter pernas para andar.

Ou rodas, como os comboios que partiam agora da estação em sentidos opostos, duas carruagens com cada um dos elementos daquele romance em hora de ponta a caminho de um subúrbio qualquer.

 

O apito ainda ecoava na estação do metropolitano quando ambos distraíram a atenção com pensamentos corriqueiros, sem paciência para alimentarem a fugaz fantasia porque esta certamente incluiria um final feliz e afinal isso podiam desbundar na boa e sem esforço no cinema ou nas telenovelas.

publicado por shark às 16:25 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)

PURE CHESS

- Ó Torre das Pretas, porque é que todas as peças fogem do tabuleiro quando estão prestes a ser comidas por aquele vosso peão?

- Ah, Bispo das Brancas, isso é porque um dia viram-no a fazer uma mijinha e em vez de Peão das Pretas passou a ser conhecido como Pilão dos Pretos...

publicado por shark às 14:59 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)

É OUTRA VEZ SEGUNDA-FEIRA, CONTINUAMOS EM AGOSTO...

...E o Benfica perdeu.

 

Dificilmente uma semana pode começar pior.

Tags:
publicado por shark às 09:25 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (3)
Sábado, 14.08.10

SENTINELAS

sentinelas
Foto: Shark

publicado por shark às 21:31 | linque da posta | sou todo ouvidos

Sim, sou eu...

Mas alguém usa isto?

 

Postas mais frescas

Para cuscar

2017:

 J F M A M J J A S O N D

2016:

 J F M A M J J A S O N D

2015:

 J F M A M J J A S O N D

2014:

 J F M A M J J A S O N D

2013:

 J F M A M J J A S O N D

2012:

 J F M A M J J A S O N D

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

2008:

 J F M A M J J A S O N D

2007:

 J F M A M J J A S O N D

2006:

 J F M A M J J A S O N D

2005:

 J F M A M J J A S O N D

2004:

 J F M A M J J A S O N D

Tags

A verdade inconveniente

Já lá estão?

Berço de Ouro

BERÇO DE OURO

blogs SAPO