Domingo, 05.07.09

QUEM NÃO AS TIVER QUE LANCE A PRIMEIRA PEDRA...

Perturbam-me, as horas que antecedem o cumprimento forçado de algum tipo de ritual.

É como uma espécie de agonia por antecipação. Um gajo olha adiante no que lhe compete gozar do tempo que tem e percebe-se encurralado num compromisso indesejável qualquer.

E existem mesmo obrigações que temos que cumprir, sob o pretexto do amor ou outro qualquer. Sob pena de nos considerarem inaptos para cumprir a função social, ingratos para com a devoção que nos possa dedicar alguém, uma pessoa importante para quem constitua ponto de honra a nossa presença num dado evento ou local.

 

Perturba-me, saber-me obrigado a estar onde não pertenço, a ir onde não me convenço a gostar. Um gajo vira-se do avesso mas acaba por engolir essa pele que deve vestir no cumprimento dos ditâmes de um determinado papel.

Ficamos amargos como fel, incapazes de não sentir tudo aquilo que é suposto disfarçar na ocasião.

 

Flixados por antecipação.

Tags:
publicado por shark às 02:15 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (11)

ESPERANÇA DEVIDA

Percorreu sozinho as ruas naquela madrugada quente de Verão.

Cabeça baixa para se concentrar no chão onde tentava a custo manter os pés. Sem vontade de trocar um olhar com alguma sombra que fosse a passar na mesma penumbra que o engolia por dentro nos recantos do pensamento que o arrastara para ali.

Nem sabia onde estava quando o sol anunciou a sua chegada com tímidas pinceladas de luz no horizonte que não via porque tudo quanto temia ganhava corpo em cada esquina que dobrava no caminho que o levava a sítio nenhum.

 

Era apenas mais um, perdido no labirinto interior onde as ruas sem saída pareciam desembocar em abismos mais fundos, mais negros, do que a noite sem lua que o astro rei se preparava para iluminar. 

Tags:
publicado por shark às 01:44 | linque da posta

UM MACHO ALFA NO BERÇO

Deu hoje entrada no Berço de Ouro um menino do mesmo metal precioso.

publicado por shark às 00:44 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)

EU GOSTO DE ANIMAIS

espírito prático Foto: Shark

publicado por shark às 00:24 | linque da posta

NO COMENTS

Quando por vezes menciono a questão dos comentários como uma das referências, como feedback do que fazemos num blogue, nunca é minha intenção confrontar quem visita este espaço com algum tipo de obrigação moral ou qualquer outra nesse sentido.

Isto parece óbvio, mas descobri hoje que não é assim. Existe quem se sinta de alguma forma vinculado por compromissos de amizade, de simpatia ou apenas por causa de algumas reacções de desagrado da minha parte a comentar apenas para evitar desagradar-me.

É muito frustrante sabermo-nos comentados com base em pretextos que não o de querer manifestar uma opinião acerca do que se vê.

 

Precisamente porque não quero de todo criar algum tipo de constrangimento dessa natureza e porque tenho tido crescente dificuldade na resposta em tempo útil aos comentários nos meus blogues passo a fechar as caixas de todas as postas que não impliquem a possibilidade de um debate de ideias e de opiniões que, de resto, é a essência de uma caixa de comentários de um blogue. Ah, claro, e sempre que a própria natureza da posta o exigir.

 

Não, não mudei de ideias acerca das caixas e da sua premência no contexto da blogosfera. Esta questão é temporária e prende-se apenas com o que acima referi.

E não sei porquê, achei que vos devia uma explicação...

publicado por shark às 00:10 | linque da posta
Sexta-feira, 03.07.09

A POSTA QUE FOI GOLO NA PRÓPRIA BALIZA

Embora possa parecer, esta não é uma posta acerca de futebol. Sim, incido a atenção no Sport Lisboa e Benfica (a propósito da reeleição do anterior presidente do clube, Luís Filipe Vieira) mas não é de bola que me apetece falar.

É que a bola é redonda e o processo de luta pelo poder no Glorioso está pejado de ângulos pontiagudos e de esquinas afiadas como cutelos.

E o que há para trinchar é uma colectividade centenária que definha entregue às mãos de gente capaz de tudo para se alcandorar ao controlo de uma máquina que movimenta muito mais dinheiro, prestígio e poder do que possamos descortinar à primeira vista.

 

A Imprensa já disse (quase) tudo quanto há a dizer acerca da rebaldaria eleitoral benfiquista, mas eu resumo parafraseando um gajo com quem não costumo concordar e para quem não tenho muita pachorra, o Rui Santos: aconteceu uma fraude no Benfica.

A fraude consistiu em ter um presidente capaz de se demitir sem uma justificação para, no fundo, antecipar as eleições e não dar tempo nem hipóteses a qualquer alternativa à sua recandidatura. A coisa começou assim inquinada. E não se endireitou, por muito eufóricos que se sintam os noventa e não sei quantos por cento que votaram num presidente cujo mandato trouxe ao clube apenas desgostos e desilusões no plano desportivo e a ver vamos da real condição financeira.

Não me espanta, e até a vaticinei entre os mais próximos, a vitória esmagadora do habilidoso bigodaças que até o facto de ser (ou ter sido) sócio do FCP conseguiu fazer esquecer à massa associativa que, bem vistas as coisas, tempos atrás também elegeu Vale e Azevedo para a mesma função...

 

O outro candidato à presidência do SLB, Bruno Carvalho, teve que entrar pela porta do cavalo e entrincheirado entre seguranças para conseguir votar. É este o ambiente de trampa que está instalado pelo renovado presidente do meu clube cujas ligações próximas (promíscuas?) com as claques ilegais do clube andam a ser investigadas.

Estou a falar da colectividade Sport Lisboa e Benfica e não da sua equipa de futebol. Por muito que goste e anseie por vitórias do meu clube de sempre, preocupa-me acima de tudo o perigo que estas fantochadas representam para a própria sobrevivência do SLB. Note-se que estamos num país onde existem dois clubes campeões nacionais a disputarem ligas secundárias...

 

Em poucos anos é perfeitamente possível escaqueirar uma agremiação desportiva pela acumulação de erros crassos pressionados mais pela vontade de disfarçar, de chutar para canto os insucessos desportivos do que pela vontade de os obter. Sente-se o clube à deriva, tanto pelos resultados obtidos como pela repetida divulgação de situações indignas de um clube da dimensão do Glorioso, quer nas Assembleias Gerais onde predominam o desrespeito e a intimidação de quaisquer opositores ao poder instalado, quer na polémica que envolvem alguns negócios e decisões desastrosas para o clube a médio prazo. Esse médio prazo está a esgotar-se agora, cumprido o ciclo de venda do património (os terrenos) e das transmissões televisivas. Com o estádio cada vez mais vazio e entregue aos arruaceiros que lá vão mais para serem protagonistas do que para assistirem a um evento desportivo, as receitas que o clube obtém dependem sobremaneira de resultados, de conquistas que o Benfica não está em condições de obter.

O ciclo é vicioso mas tem um percurso descendente que a estatística não permite esconder.

 

Os benfiquistas começam a habituar-se a empatar ou perder e acabam de reconduzir um perdedor sem obra feita, um malabarista capaz de colocar o clube nas parangonas pelos piores motivos como desde a sua demissão "política", despropositada, aconteceu.

 

Foi o Benfica que perdeu, outra vez. E agora para isso já nem precisamos de um campeonato para o sentir na pele.

 

 

 

publicado por shark às 23:23 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)

EU GOSTO DE PESSOAS

sol na carinha Foto: Shark

publicado por shark às 11:11 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (5)
Quinta-feira, 02.07.09

A REALIDADE DE UM PAÍS (2)

Dificilmente um cidadão consegue alcançar uma posição e um estatuto equivalente ao que Manuel Pinho atingiu (sabe-se lá como ou porquê). É uma honra, julgo, poder servir uma Pátria de forma tão directa e poder intervir na respectiva construção. Por outro lado, mesmo um leigo depreende que a dignidade de uma função daquelas é mote mais do que suficiente para abafar quaisquer assomos de irreverência ou, tendo em conta o local e a função, a inqualificável má educação.

 

Não dá para ser simpático ou condescendente. Um país não pode estar entregue a cromos capazes de meterem os cornos à Democracia como o ex-Ministro da Economia descaradamente fez. Qualquer sorriso que o gesto pudesse suscitar morre nos lábios de quem vê a Nação definhar às mãos destes fulanos que ascendem ao poder sem critério, como o exemplo de Mário Lino (só para citar mais um) confirma.

É uma questão de sentido de Estado, o mesmo que Sócrates revelou na rapidez com que forçou a demissão do rapazola (como se confirma pelas declarações do demitido quando declarou à Imprensa, a quente, que não via motivo para se demitir).

 

Manuel Pinho, o espontâneo, não percebe um boi (passe a graçola fácil) de política e não possui estrutura moral para ser sequer ministro no Zimbabué. E nem seria necessário um gesto imbecil para o atestar, avaliado o percurso do homem neste Governo tão... sui generis.

Era óbvia a sua descontracção excessiva no exercício do cargo que lhe confiaram (não faço ideia como nem porquê, insisto). Era uma bomba relógio à espera do momento certo para estoirar nos braços de um Primeiro-Ministro em recta descendente muito por culpa dos seus erros de casting.

 

Manuel Pinho, o tonto, ilustrou na perfeição porque temos a Nação a mergulhar a pique numa realidade que só pode ser devidamente esboçada no âmbito de uma caricatura.

 

publicado por shark às 21:01 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (12)

A REALIDADE DE UM PAÍS

- Boa tarde. Faz favor?

- Eu vinha apresentar uma queixa, roubaram-me o telemóvel...

- Pode dirigir-se ao meu colega. Ó fulano, este senhor quer apresentar uma denúncia por furto.

- Boa tarde, eu venho apresentar queixa por me terem roubado o telemóvel.

- Sim senhor. Isso aconteceu a que horas?

- De manhã, por volta das nove.

- E como aconteceu?


Explicação detalhada de como me gamaram o telemóvel.


- Então e porque não chamou a polícia?

- Porque os gatunos fugiram a correr e eu fui atrás deles.

- Então e porque não veio aqui à Esquadra?

- Porque fui a correr atrás deles quase até Moscavide, ficava fora de mão...

- Ah... Então e porque não pediu a um carro que fosse a passar para lhe dar um boleia para os conseguir apanhar mais adiante?

- (Porque não sou polícia!) Nem me ocorreu...

- E porque não telefonou para a polícia?

Tags:
publicado por shark às 20:54 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (10)

PORREIROS, SIM. MAS NUNCA INDEFESOS.

Preferi sempre, desde miúdo, optar pelo lado daquilo que me ensinaram (ou aprendi) a entender por Bem. Ou seja, quando tive que fazer as minhas escolhas decidi sempre em abono do que me soava mais decente, mais correcto, mais próximo do que o senso comum define como o lado bom de cada um de nós a nível individual e que se reflecte na realidade colectiva que formamos.

E por isso hoje, quando ao passar por um túnel a não mais de cem metros da Esquadra da PSP de Sacavém me cruzei com o que me parecia um casal desavindo e com violência prestes a eclodir tentei intervir e como resultado disso fiquei sem o meu telemóvel.

 

Sim, fui assaltado com base num expediente muito simples e que consiste em aproveitar o instinto de quem se sente compelido a ajudar os outros. No meio da confusão, a jovem potencialmente "agredida" pirou-se enquanto o fulano me entretia com gestos hostis e depois bastou um sopapo no telemóvel que levava ao ouvido para este aterrar no chão, no rumo que o tipo escolheu para com ele fugir. Ainda corri atrás, mas dificilmente conseguiria acompanhar o passo de pessoas com menos vinte anos de idade.

 

Mais do que o rancor natural que se sente em relação a este tipo de gente sinto uma tristeza imensa por perceber que o Mal tem reunidas todas as condições para prevalecer e no fundo vencer a luta com o seu oposto. É que o Mal contagia. Como? Basta que se faça sentir sobre pessoas sem capacidade para reagir de outra forma que não evitarem acudir às pessoas em aflição para se pouparem ao que hoje partilho convosco aqui. À sensação de impotência, por exemplo, pois bastaria uma arma nas mãos da dupla de artistas para eu poder ter perdido muito mais do que um telemóvel e respectivo conteúdo.

Sinto-me acima de tudo frustrado por apesar de todo este tamanho e capacidade de luta física ter percebido que em determinadas circunstâncias fico à mercê do tipo e do calibre de bandalho que me escolha como alvo da sua forma fácil de ganhar a vida.

 

Sinto-me acima de tudo com maior determinação do que nunca em preparar-me com afinco para equilibrar a parada quando (e é quase certo, neste país de merda em que ninguém teme a autoridade e muito menos os tribunais) voltar a deparar-me com uma situação similar. Sim, nesse aspecto já perdi uma parte da "guerra" e para poder continuar a ceder ao apelo das aflições alheias vou tratar de investir na arte marcial da minha predilecção até atingir um ponto de perfeição que me permita combater o Mal com as mesmas armas.

 

Sem compaixão e com a violência necessária para que os que optam por tal caminho comecem a aprender eles próprios a lição que hoje me ensinaram.

 

 

publicado por shark às 14:02 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (19)

DELTA E LUSO JUNTAS? TOO GOOD TO BE TRUE!

Esta vai ser sem dúvida a minha loucura deste Verão!

publicado por shark às 01:04 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (10)
Quarta-feira, 01.07.09

ENTARDECER

faz-se tarde na cidade Foto: Shark

Tags:
publicado por shark às 17:48 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (5)

Sim, sou eu...

Mas alguém usa isto?

 

Postas mais frescas

Para cuscar

2017:

 J F M A M J J A S O N D

2016:

 J F M A M J J A S O N D

2015:

 J F M A M J J A S O N D

2014:

 J F M A M J J A S O N D

2013:

 J F M A M J J A S O N D

2012:

 J F M A M J J A S O N D

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

2008:

 J F M A M J J A S O N D

2007:

 J F M A M J J A S O N D

2006:

 J F M A M J J A S O N D

2005:

 J F M A M J J A S O N D

2004:

 J F M A M J J A S O N D

Tags

A verdade inconveniente

Já lá estão?

Berço de Ouro

BERÇO DE OURO

blogs SAPO