Domingo, 30.11.08

SER BENFIQUISTA

águia de ouro

Foto: Shark

publicado por shark às 21:10 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)

VERDADES INCÓMODAS

Já aqui falei nessa aversão que me provoca constatar que alguém apagou um blogue.

E eu já o fiz, pelo que não me ponho em bicos dos pés quando manifesto essa repulsa por um gesto que, aprendi na altura, constitui um gesto de desprezo para todos quantos participaram na construção desse espaço.

Queira-se ou não, um blogue conserva pedaços de vida. De quem o fez, acima de tudo, mas também de toda a gente que o leu, que o lincou ou o comentou. Trata-se de um registo de pessoas, de eventos, de emoções que basta deixar ficar no sítio para não desaparecerem de vez.
 
Quando alguém apaga um blogue só me ocorre a ideia de que pretende apagar também os rastos de uma porção de vida que pretende escamotear, para a esconder a alguém ou para evitar fazer a má figura como a sente quem se embaraça com passados que renegou.
É um acto de desprezo mas é um acto de cobardia também.
E denuncia na condição quem o pratica.
Mais uma vez, recordo que eu próprio já o fiz num acesso de fúria. De pouco me vale o arrependimento agora, mas bastou para que entendesse que se nos queremos dar ao respeito no que aqui fazemos não podemos depois cuspir nos olhares de quem assim se apaga naquilo que ajudou a construir e a fazer o sentido que assim se esgota com a magia do apagador.
 
O problema é que as memórias dos outros não se podem apagar.
E é sempre fácil de lembrar os detalhes que denunciavam, na altura em que esses blogues existiam, a essência de quem mais cedo ou mais tarde acabaria por os eliminar.
publicado por shark às 20:50 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (14)

FILHA DE PEIXE

É o título da série de fotos da Sharkinha (a minha marafilha) que comecei hoje a publicar no Charquinho Imagens.

Convido-vos a visitarem ao longo dos próximos dias a primeira selecção dos bonecos que ela tem tirado com a minha antiga Canon e espero que seja do vosso agrado o estilo da artista.

 

publicado por shark às 18:32 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (10)
Sábado, 29.11.08

OUTONS

outonela

Foto: Shark

publicado por shark às 22:43 | linque da posta | sou todo ouvidos

MUDANDO DE ASSUNTO OUTRA VEZ

O Charquinho no Sapo ultrapassou hoje a barreira psicológica das 50 mil visitas.

Agradeço a cada uma dessas visitas a sua infinita paciência, sobretudo às que venceram a renitência e conseguiram repetir a proeza.

publicado por shark às 22:38 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (5)

MUDANDO DE ASSUNTO

O CQC é ganda malha.

publicado por shark às 22:36 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)

NÃO FINJAM QUE ACREDITAM

É uma chatice, mas é a sinceridade o ponto de partida para todas as verdades incómodas. Seja por um acesso de fúria ou sob a forma de revelação num momento propício, quando alguém se permite ser sincero é garantido que algumas das verdades abafadas ou reprimidas soarão como bujardas na pele de outrem.

A sinceridade é assim como o sexo, no que respeita à sua imagem pública. Todos sabemos que é bom mas na maioria dos casos praticamo-lo às escondidas e até temos vergonha de o falar.
E até se torna feia na perspectiva de quem a recebe no peito quando preferiria escondida a realidade que alguém entendeu verbalizar.
 
É paradoxal a relação entre a defesa intransigente de uma atitude aberta e frontal e a rejeição visível dos efeitos práticos da respectiva adopção. Ou seja, o inferno está cheio de boas intenções hipócritas. Daquelas que nos fazem não saber para que lado pender quando nos confrontamos com tais escolhas.
Se é certo que em teoria o consenso roça a unanimidade e mesmo as pessoas mais falsas fazem a apologia da sinceridade enquanto correcta e até indispensável, na prática das relações humanas tende-se a varrer para debaixo do tapete tudo quanto possa ser substituído por uma conveniente omissão ou, ainda mais incongruente, por uma mentira piedosa.
 
O poder de encaixe exigido pela sinceridade absoluta equivale à nudez psicológica total e permanente no relacionamento com outras pessoas. E essa, se nem mesmo perante os mais próximos a esmagadora maioria de nós consegue lograr, quando aplicada aos de fora é receita infalível para o exílio social.
Mesmo os que possuam as características, as condições ideais e a motivação necessárias para dizerem sempre o que lhes vai na alma dificilmente terão arcaboiço para enfrentar as reacções alheias que, salvo raras excepções, tenderão sempre para uma forma de hostilidade (o sincero, como o nudista, é no mínimo um excêntrico aos olhos da maioria) e, em última análise, acabam por se ver isolados como bactérias infecciosas pelo perigo que representam.
 
É perigoso ser frontal numa sociedade com predominância hipócrita. Ser sincero é uma desvantagem lógica no confronto com aldrabões ou mesmo com gente de bem mas cobarde demais para assumir aquilo que sinta como fraquezas.
Quem opte pelo caminho da verdade que até a nossa religião predominante preconiza condena-se a receber o troco por parte de quem se habituou a gerir a vida e a personalidade como plasticina.
À pessoa frontal chamamos desbocada, atrevida, insensata, inconveniente ou mesmo desagradável.
Até o Estado cultiva e sobrevaloriza aquilo a que chama de seu segredo, o saco azul para as omissões que dizem servir melhor os nossos interesses para não terem que nos chamar burros com as letras todas. Porque papamos o grupo e não exigimos a verdade e a transparência, tal como o fazemos com tudo e com todos no dia-a-dia.
 
São estes os pequenos quês que envenenam a saúde das relações entre as pessoas, estes binómios entre o que devia ser e o que tem que ser que nos amarrotam aos poucos no interior de um saco de pancada em cujo revestimento se encontram coisas tão importantes como a dignidade e a honra, mas que acabam por ser substituídas por conceitos mesquinhos que se camuflam sob os pretextos inventados para as ignorar.
Mentiras piedosas, afinal, para mitigarem a infelicidade instalada pela suspeita, pela desconfiança e pela inevitável solidão que estas produzem.
 

No fundo, no fundo, sabemos que se mesmo com o desplante mentiroso desta sociedade de verniz dificilmente conseguimos enganar os outros, é (deveria ser) óbvia para qualquer pessoa a impossibilidade de nos enganarmos a nós próprios.

publicado por shark às 20:25 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)

BLACK & WHITE

a dois tempos

Foto: Shark

publicado por shark às 12:38 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)
Sexta-feira, 28.11.08

RENDEIRO NÃO RENDEU

Agora que o CEO do Banco Privado Português comunicou a demissão fica-me a desconfortável sensação de que se um banco que gere fortunas e lida com o dinheiro dos ricos dá barraca, então que poderemos esperar dos bancos que apenas se governam com o dinheiro dos pelintras como eu?

publicado por shark às 22:04 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)

NOVA BEBÉ NO BERÇO DE OURO

Ainda mexe, a creche virtual.

Hoje instalou-se lá mais uma menina.

publicado por shark às 20:52 | linque da posta | sou todo ouvidos

O MEU RIO CHAMA-SE TEJO

vela pelo tejo

Foto: Shark

Tags:
publicado por shark às 10:12 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)

O FUTEBOL PORTUGUÊS É MUITO SINCERO

Portugal 2 - Brasil 6

Sporting 2 - Barcelona 5

Benfica 1 - Olympiacos 5

 

A decadência toda escancarada para ninguém alimentar ilusões...

publicado por shark às 09:39 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (8)
Quinta-feira, 27.11.08

O GLORIOSO ESTÁ A LEVAR 4 A 1...

E por isso aproveito para vos recomendar que prestem a maior atenção a este assunto que o Marco do Bitaites anda a acompanhar, tal como outros colegas menos distraídos do que a maioria de nós perante as armadilhas com que tentam endrominar-nos...

publicado por shark às 20:32 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (5)

SEM DÚVIDA ALGUMA

As dúvidas desfeitas em pó, espalhadas pela estante onde velhos livros se perfilam como sentinelas capazes de dispararem as palavras para arrasarem qualquer interrogação.

O dedo que passo na madeira, sobre os despojos da hesitação que a dúvida instiga, enquanto escuto essa triste cantiga que fala de desencontros entre as pessoas e os seus tempos, a pele suja pelo detrito de todas as perguntas que ficariam por responder se um dia não tivesses querido ler nos meus olhos a exclamação esclarecedora quando o acaso nos cruzou e tu, observadora atenta que os perscrutou, folheaste sem pressas os talões do depósito de amor que neles escrevi, de propósito, só para ti.
 
Os caminhos que percorri entretanto, à deriva num deserto interior que invade os espaços vazios do amor cuja falta nos desidrata ao ponto de o espelho nos revelar o aspecto ressequido do olhar com uma alma sedenta por detrás, foram meras travessias de quem se sentia capaz de avançar sem rumo, alheio às pegadas efémeras sopradas como fumo pelo vento que moldou o areal do passado que afinal não deixou rasto enquanto o presente não me ofereceu um futuro pavimentado, um caminho onde ficou gravado cada passo que demos a dois.
 
As dúvidas desfeitas depois, espalhadas pela estante onde se guardam livros cujas lombadas de um tempo distante evocam a memória das perguntas que fizeram a história que o nosso romance contará a quem um dia procurará as mesmas respostas que cobrirão, com as cinzas de dúvidas sopradas por outra respiração, o rasto deixado na madeira pela passagem do meu dedo à superfície do mar onde o tempo as sepultou.
 

Sob as certezas que o amor (em palavras tatuadas nas peles beijadas) nos legou.

publicado por shark às 11:52 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (14)
Quarta-feira, 26.11.08

(LIS)BOA TODOS OS DIAS

expo 2008

Foto: Shark

publicado por shark às 18:53 | linque da posta | sou todo ouvidos

DE MODOS QUE É ASSIM...

Isto hoje não tem dado abébias para postar, mas digo-vos que está a ser um dia cheio de insólitos...

Dá mesmo cada vez mais a ideia de que deixou de haver espaço para a má onda no inferno e agora anda a malta a distribuir a coisa por aqui, em pequenos apontamentos de abuso do poder, de excesso de zelo ou simples alucinação.

publicado por shark às 16:37 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)
Terça-feira, 25.11.08

JAMAIS O SILÊNCIO!

Às vezes custa-me escrever, ou pelo menos publicar, postas acerca de temas menos agradáveis pois já nos bastam os noticiários para nos franzirem o sobrolho.

E eu gosto de acreditar que quem aqui vem nunca vai sem uma qualquer sensação positiva, um ligeiro sorriso, uma insuspeita emoção agitada ao sabor das minhas palavras ou das imagens que recolho porque quero mas para cada um/a de vós.
Seja o que for, prefiro-o positivo e por isso hesito quando me confronto com a decisão de embicar por um assunto qualquer que me irrita ou perturba.
 
Custa-me partilhar convosco essas emoções negativas. São minhas, fazem parte da verdade que na medida do possível tento aqui reflectir, mas prefiro adivinhar-vos as reacções de agrado por algo de belo ou diferente ou inteligente ou qualquer outra das coisas que as minhas postas possam ilustrar.
 

Mas hoje é o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres e eu não posso nem quero fazer de conta que não sei…

publicado por shark às 23:29 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (14)

JÁ SEI, SÃO GLÓRIAS DA TRETA...

...Mas eu não consigo deixar de me emocionar com estas coisas.

publicado por shark às 22:58 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)

AMOR PROIBIDO

azulejo real

Foto: Shark

publicado por shark às 19:35 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (18)

A MALTA FALA, FALA...

Escuto os desabafos no café, à entrada das lojas e no meu contacto profissional constante com pessoas de todas as idades, classes sociais e cores partidárias.

Somos povo, e eu ouço o povo que reclama a Justiça na qual perdeu a confiança e redescobre aos poucos o temor. E ouço o povo que murmura desânimo pela impotência perante a roubalheira cada vez mais descarada por parte dos que não olham da mesma forma para cada fim de mês. E ainda escuto as descrições de como cada vez mais povo desvia das garras fiscais os impostos que sustentam "a corja", confiando os rendimentos aos elaborados esquemas que fazem prosperar a economia paralela.

Também ouço o povo ameaçar que emigra, que foge, que abandona aquilo a que chama "esta merda de país".

 

Mas ainda não ouvi povo algum a gritar ou a sugerir sequer qualquer espécie de revolução...

 

 

publicado por shark às 12:11 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (15)

E PRA CASTIGO...

Mais uma tarde inteira do tubarão enfiado numa sala de formação.

Estou mesmo condenado a uma vida profissional na formatura.

publicado por shark às 11:34 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (14)
Segunda-feira, 24.11.08

SAIU UMA RICA (EN)COMENDA...

...Da que apelido carinhosamente a "minha" blogosfera.

O Comendador Antunes de Burnay tem sido um dos cromos mais castiços que vou encontrando nas caixas de comentários. Do mais fino recorte e com excelente gosto para bebidas, a este nick vou sempre associar sorrisos e momentos de prazer.

De prazer, sim senhoras e senhores, daquele que se obtém quando podemos observar a genialidade dos outros e ainda aprendemos qualquer coisinha de borla.

 

Sim, agora já posso dar os flancos que ele abdicou do combate por uma presença verdadeiramente masculina (nesta caderneta onde todos somos cromos de uma forma ou de outra) e tinha um dos cada vez mais raros blogues de gajo disponíveis.

 

Lamento o fim do Comendador. Logo à partida porque em termos estratégicos serve-me sempre melhor ter bem identificada e localizada a potencial "concorrência".

 

Foi mesmo um prazer, senhor Comendador. 

publicado por shark às 22:27 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (10)

CONTESTATÁRIO OU REFILÃO?

Confirmo as ameaças potenciais por detrás das reacções hostis de quem me enfrenta na contestação.

Sopesando o tom contestatário, para certificá-lo adequado aos níveis hierárquicos, aos padrões convencionais e a outros limites mais ou menos universais, sempre que reagem de forma desagradável recebo um atestado da sua pertinência.
A lógica é simplista mas tem funcionado. Quando alguém nada tem a temer e a menos que se trate de gente parva ou com manias de grandeza, pouco ou nada se perturba com qualquer tipo de contestação. Precisamente porque não faz sentido que tal aconteça, a não ser que quem contesta seja duro de ouvido e insista em demasia na sua alegada razão.
 
Daí que apesar dos contratempos que derivam dessa postura competitiva e da natural urticária por parte de quem sofre de alergia à mínima agitação das águas, chefes, quadros intermédios e assim, sempre abracei a estratégia da contestação como primeiro filtro para as situações que me afectam ou apenas me suscitem dúvidas.
Esta opção acarreta, como qualquer outra, vantagens e inconvenientes. Contudo, se dos aspectos negativos raramente distingo mais do que os danos de imagem costumeiros junto das ordeiras filas de espera para a tosquia, “esse gajo é um radical, está sempre a criar conflitos”, os positivos traduzem-se na proverbial revelação do gato escondido cuja cauda a minha contestação inadvertidamente (faz de conta) pisou.
 
Soa irritante, à partida, um gajo assumir-se contestatário aparentemente apenas porque sim. Mas esse é o erro de palmatória mais comum e tem origem na leviandade de quem presume algum tipo de arrogância nessa opção só porque a assume logicamente hostil, descartando o facto de nunca ficar “impune” uma contestação sem sustentáculo razoável.
Ou seja, quem adopta a contestação como reacção prioritária perante factos por si entendidos como necessários de esclarecer e sobretudo de corrigir faz figura de parvo se não pondera previamente as suas razões e fica a espernear no vazio quando se revela a verdade que transforma a contestação numa simples embirração.
 
Como em quase tudo, é o bom senso que deve presidir à veia contestatária. Deve até ser soberano na sua imposição do caminho a seguir em função das argumentações de quem defenda o alvo da contestação, seja ela qual for, e associar-se à abertura e à presença de espírito essenciais para que tal sistema funcione na perfeição no que respeita ao seu objectivo primordial.
E esse é detectar as fontes de conflito, confrontá-las naquilo que as torna inconvenientes ou desnecessárias e obter assim alguma forma de consenso que permita ultrapassar a questão.
 
Mas essa não é a verdadeira intenção ou até a real motivação por parte da maioria das pessoas que contestam, o que me leva a concluir que nas poucas vezes em que faço figura de parvo por contestar sem pretexto válido acabo por nem dar assim tanto nas vistas.
publicado por shark às 15:47 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (12)

E PRA COMEÇAR A SEMANA, EIS UMA MENSAGEM ALENTEJANA: FUNK YOU!

funk you

Foto: Shark

publicado por shark às 09:25 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (6)
Domingo, 23.11.08

BOA NOITE!

uma noite cheia de lua

Foto: Shark

publicado por shark às 23:46 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)

Sim, sou eu...

Mas alguém usa isto?

 

Postas mais frescas

Para cuscar

2017:

 J F M A M J J A S O N D

2016:

 J F M A M J J A S O N D

2015:

 J F M A M J J A S O N D

2014:

 J F M A M J J A S O N D

2013:

 J F M A M J J A S O N D

2012:

 J F M A M J J A S O N D

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

2008:

 J F M A M J J A S O N D

2007:

 J F M A M J J A S O N D

2006:

 J F M A M J J A S O N D

2005:

 J F M A M J J A S O N D

2004:

 J F M A M J J A S O N D

Tags

A verdade inconveniente

Já lá estão?

Berço de Ouro

BERÇO DE OURO

blogs SAPO