Terça-feira, 23.09.08

UM AR DE OUTONO

céu revolto

Foto: Shark

publicado por shark às 16:25 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (6)

É MESMO DE CHORAR SOBRE ESTE LEITE DERRAMADO

Fico possesso quando me deparo com as imagens televisivas da hedionda versão de boicote que um bando de rufiões (aparentemente agricultores espanhóis) escolheram, abrindo perante as câmaras de televisão as torneiras de um camião cisterna português carregado com 25 mil litros de leite em perfeitas condições.

Imagino tais imagens a circularem o mundo até chegarem aos olhos de mães a quem morrem os filhos no colo por inanição, ou pelo menos ao conhecimento dos poucos de entre nós, o rebanho de carpideiras de sofá, que lutam no terreno para salvarem o máximo possível de vidas no lado negro deste mundo onde a insanidade parece ter sempre a razão.
 
Repugnam-me os sorrisos na cara dos imbecis que assim marcaram a sua posição, enquanto já se afiam as naifas da vingança do lado de cá da fronteira, preparando mais um banho branco no asfalto que traça os caminhos da estupidez de quem se comporta desta forma vil.
Sinto-me insultado. Tanto ou mais do que perante as culpas chinesas do leite bom e balato que já envenenou a saúde de mais de 50 mil crianças e, tudo indica, não ficará por aí na contagem.
A cidadãos desta Europa tão civilizada nas manias e cristã nas teorias não se perdoam gestos tão egoístas e levianos quanto cruéis, com aqueles sorrisos imbecis a pedirem estalada à beira daquela estrada que entenderam conspurcar com a sua brilhante iniciativa.
 
Gozamos com o resto do mundo nestas exibições grotescas que nos denunciam a postura hipócrita de falsos preocupados com a condição seja de quem for.
Cuspimos nos rostos famintos estas imagens boçais do desperdício que representamos, da culpa que assim nos veste por esbanjarmos tudo aquilo que faz falta a outros seres humanos que assim percebem o quanto não os entendemos como nossos iguais.
E somos todos culpados por permitirmos a impunidade de quem alegadamente luta pelos seus direitos na quota desta merda de mercado que se acredita importante ao ponto de agirem assim e acreditarem legítima a actuação os seus protagonistas ou figurões.
Figurinhas tristes, afinal.
 
E eu preferia poupar-vos à maçada deste desconforto que sinto, mas não consigo conter o silêncio. Por respeito a todos aqueles a quem faria muita falta aquele leite estragado cuja visão, garanto-vos, muito me azedou.
publicado por shark às 11:09 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)

A PREGUIÇA QUE NOS FECUNDA

De acordo com o estudo anual do Technorati acerca do estado da nação blogueira, apenas 1,1% do total de blogues indexados postam mais do que uma vez a cada sete dias.

 
Será que o ritmo da blogosfera está a acertar o passo com a vida sexual da maioria da malta?
publicado por shark às 10:30 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)

O GLORIOSO QUIMCARDO

É o produto acabado de um processo de osmose do guarda-redes benfiquista com o anterior titular da baliza da selecção nacional de futebol.

publicado por shark às 00:58 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (8)
Segunda-feira, 22.09.08

SAUDADE DO VERÃO

praia da linha

Foto: Shark

publicado por shark às 20:17 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (8)

UM SEXO DO OUTRO MUNDO

A extraterrestre desceu da sua nave espacial com um ar montes de tecnologia avançada, a nave também, e eu temi o pior.

Vinha armada, mas em boa. Que o era, o que de imediato me garantiu que a criatura mais perfeita do universo é mesmo a mais perfeita de todo o dito cujo, mas como estava enfiada numa espécie de escafandro não consegui tirar-lhe as medidas todas à primeira vista embasbacada que lhe lancei.

 
Leu-me os pensamentos na hora, percebi-o pelo facto de ter corado (neste caso esverdeado) segundos depois de apontar as antenas na minha direcção. Pedi-lhe desculpas por telepatia e abri os braços para a fazer sentir o calor das boas vindas à moda portuga, mas ela, estranhamente, recuou com um ar intimidado mal lhe toquei (talvez fosse por lhe ter tocado involuntariamente com outra porção de terráqueo que não os braços, uma guarda avançada de geração espontânea que de repente se criou em mim. Não sei porque ela não se abriu no assunto.).
 
Recuei um passo, sempre com um sorriso destinado a inspirar-lhe a confiança que os meus pensamentos demasiado terra-a-marte pudessem fazer perigar, pois conhecendo as fêmeas terrestres um gajo sabe lá do que uma marciana mais arisca e eventualmente munida de um canhangulo de raios xpto é capaz.
Pensei com muita força o cliché do “venho em paz”, mas depressa percebi que ela devia achar-me maluquinho pois quem veio foi ela e mal aterrou já tinha um macho mal habituado armado ao pingarelho como se fosse seu (dele) o controlo da situação.
E ela não tinha mesmo nada o ar de quem precisasse de ajuda para mudar um pneu do seu ovni luminoso.
 
Percebendo-me confuso mandou-me sentar. Ou melhor, sentou-me com a força da mente. E isso fez-me concluir que as fêmeas fazem de mim o que querem, sejam as daqui sejam as de outra galáxia qualquer. Adiante, que entretanto eu já abancava dócil como um cordeirinho e ela, soberana, já me sondava o cérebro de fio a pavio em busca de algo de útil para enriquecer a bagagem de conhecimentos obtida em diversos planetas.
Preocupou-me a demora no processo, embora me consolasse a ideia de que isso implicava haver muita informação importante. A expressão dela, contudo, parecia denunciar o oposto e por isso esforcei-me por concentrar a mente em assuntos muito intelectuais enquanto o meu olhar se perdia pelas formas magníficas que o tal escafandro permitia vislumbrar.
Fiz mal em sobrecarregar o processador com esses raciocínios simultâneos, pois a criatura alienígena acabou por abandonar o cérebro e apontou a sonda para o resto do terráqueo inteiramente à sua mercê.
 
Só então me senti como que violado, incapaz de me mover (só nos movimentos voluntários, graças a Deus, pois detestaria fazer má figura no meu primeiro encontro imediato do terceiro grau) e sem fazer ideia do que aquela fêmea do outro mundo queria fazer de mim.
Acho que abusou de mim, pois sentou-se (levitou) ao meu lado e deu-me uma seca de pensamentos acerca do remorso de ter sido infiel ao seu ex marciano num planeta com um nome esquisito, horas naquilo, e às tantas mergulhou-me numa letargia que me deixou sem tino e sabe-se lá o que me fez com todo o seu poder.
Despertei cheio de frio no meio da clareira de um bosque, com dois guardas florestais a perguntarem-me o porquê de me encontrar naqueles propósitos (calças pelos tornozelos) e a ameaçarem-me com uma coima e mais não sei o quê.
 
Entretanto, no céu estrelado, um rasto luminoso assinalava a despedida definitiva daquele estranho ser.
 
E eu acordei outra vez. Mas desta vez foi a sério.

É que sem querer acertei com o braço na garrafa de vodka, tão vazia como o outro lado da cama, e ela caiu da mesa-de-cabeceira para o meio do chão.

publicado por shark às 18:34 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (21)

DE UM LADO CHOVE, DO OUTRO TROVEJA...

Já aqui desabafei por mais de uma vez acerca do MEO no que respeita ao meu caso particular.

Contudo, deixem que vos diga que os da ZON também são umas belas encomendas.

Um exemplo: propõem aos clientes o upgrade para voz e internet mas os operadores esquecem-se de referir que o próprio equipamento de telefone não está incluído na proposta...

publicado por shark às 12:01 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)

EU GOSTO DE PASSARINHAS

passarinhas irrequietas

Foto: Shark

publicado por shark às 09:03 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (8)
Domingo, 21.09.08

A REACÇÃO DA JUVENTUDE SOCIALISTA...

À questão do casamento homossexual só peca por tardia.

Tags:
publicado por shark às 23:59 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (7)

PELO MENOS É O QUE LEIO POR AÍ...

A volatilidade das emoções deixou de ser alvo de críticas para passar a ser objecto das mais sábias e honoráveis recomendações.

publicado por shark às 23:46 | linque da posta | sou todo ouvidos

EU GOSTO DE PESSOAS

talvez não

Foto: Shark

publicado por shark às 17:04 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (3)

A POSTA FORA DE JOGO

E de facto chega a um ponto em que parece estar tudo dito e que nada de novo pode acontecer para desmentir essa percepção.

Pura preguiça, afinal, ou apenas um pretexto para disfarçar a cobardia que fica tão mal quando exposta na fractura da desistência. Terrível de assumir, a fraqueza que embaraça num mundo habituado a celebrar a força aparente dos outros como que a louvar a sua, por comparação.
 
Parece, mas não é.
A realidade não é imutável e muito menos imóvel porque o tempo corre e acontece a evolução que precisa de ser contada. Tudo diferente há um minuto atrás, esquecida a maior parte do que antes aconteceu.
Importa o que se passa agora, no momento de preparação do que acontecerá depois. O muito de novo por dizer que desmente a desculpa esfarrapada para a falsa partida que derrota alguém antes mesmo de competir. Por si mesma ou apenas para não ceder à pressão dos que buscam os maus exemplos para não fazerem má figura no boneco onde se comparam de forma fútil e leviana os valores, a valia pela bitola de um mau momento que alegadamente deita tudo a perder.
 
Futilidade adornada com a análise mais profunda a uma superfície envernizada pela ambição que nem sempre revela pernas para andar e tropeça na corrida ao topo da cadeia alimentar, seja ela qual for, apenas pelo medo de enfrentar a derrota e consequentes fenómenos de rejeição por parte dos simulacros de vencedores.
Cagufa, travestida em bicos de pés pelo discurso que desdenha os que perdem na balança adulterada dos que se colocam num dos pratos, toneladas, e pesam os outros à luz desse resultado obtido na conclusão inevitável de uma subjectiva introspecção.
 
A colagem descarada aos mais bem sucedidos na projecção de um ideal a que nem correspondem, a versão adulta dos mais populares no grande liceu. A farsa dos que enfatizam os méritos para afastarem os olhos das suas limitações, iguais a todos os outros no essencial e nos pontos fracos também, adulados pela claque cujas palavras e acções se equivalem aos coloridos pompons.
 
E o público na bancada a aplaudir, a construir os estatutos forjados na falsa noção transmitida pelos que se pintam melhor. Os termos de comparação que abafam as veleidades dos que queiram assumir grandezas e misérias, as pessoas mais sérias que se tornam enfadonhas pelo barulho das luzes que acontece em qualquer rebanho ou multidão.
 
As pessoas que acreditam, corajosas, persistentes, que sempre existirá algo de novo e de interessante para pensar, sentir e dizer.

Nem que seja apenas para dizerem que não.

publicado por shark às 16:57 | linque da posta | sou todo ouvidos

MUNDO DISNEY

Aquilo que os irmãos Metralha não conseguiram (esvaziar uma única caixa-forte) ao longo de décadas na BD, por pouco não lograram os irmãos Lehman fazer a todas por arrasto em apenas meia dúzia de anos de gestão marcada por uma ingenuidade infantil.

publicado por shark às 01:07 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (10)
Sábado, 20.09.08

EU GOSTO DE ANIMAIS

paralelas assimétricas

Foto: Shark

publicado por shark às 19:55 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)
Sexta-feira, 19.09.08

TRAVESSIA DO DESERTO INTERIOR

Viu-a ao longe, fantasma, como uma imagem distorcida pelo efeito do calor.

Apressou ligeiramente a passada quando lhe pareceu que o estava a chamar, quase correu, sequioso, e percorreu aquela estrada num instante para completar a viagem.
 

Mas a meio do caminho percebeu que se tratava apenas de uma miragem.

Tags:
publicado por shark às 23:35 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (7)

DIAS MELHORES

urban rainbow

Foto: Shark

publicado por shark às 09:38 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (18)

PURE CHESS

- Ò Torre das Pretas, porque é que aquele vosso cavalo avançou à toa para a nossa Torre da direita se não tinha hipótese de vencer a jogada?

- Ele é um fanático do Cervantes...

publicado por shark às 09:38 | linque da posta | sou todo ouvidos

CEM ANOS DE PERDÃO?

Foi ontem assaltada em pleno dia a Repartição de Finanças de Sacavém.

publicado por shark às 00:37 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)
Quinta-feira, 18.09.08

FENÓMENOS INEXPLICÁVEIS

Deixam-me sempre a pulga atrás da orelha.

publicado por shark às 22:39 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)

A PEDRA-PLASTICINA

pormenor do mosteiro de alcobaça

Foto: Shark

publicado por shark às 13:47 | linque da posta | sou todo ouvidos

PALIN VÍTIMA DE HACKERS E DA LEVIANDADE BLOGUEIRA

A primeira questão que nos ocorre relativamente ao assalto dos hackers ao email pessoal da candidata republicana à vice-presidência dos EUA é a da violação da privacidade.

Contudo, essa matéria será por certo dissecada até à exaustão pela Imprensa que, de resto, não deixará de aproveitar o ensejo para pegar no assunto por outra das suas consequências visíveis, a mesma que me move nesta posta: a da publicação da informação “roubada” em diversos blogues norte-americanos.
 
A ética blogueira é foco de acesos debates desde que as primeiras broncas começaram a fazer notícia. Em causa está o confronto dos nossos direitos no âmbito da liberdade de expressão total com os limites que cada um/a deveria intuir mas só a lei consegue de facto impor, acabando assim por se abrir a porta ao controlo dos conteúdos com base em pretextos que são afinal os abusos cometidos por uma minoria de mentecaptos ou de irresponsáveis.
É nesse contexto que encaro (mais) este episódio foleiro que me prejudica enquanto blogueiro mas igualmente limita os meus direitos enquanto cidadão, por ser cada vez mais óbvia a necessidade de intervenção de uma qualquer entidade reguladora que fiscalize os abusos e distinga as águas neste mar heterogéneo e cada vez mais influente na formação de opiniões e até na tomada de decisões políticas.
 
É a velha questão das duas blogosferas, a “séria” dos que encaram isto como um novo meio de Comunicação Social (assumindo igualmente a contenção e o rigor que a pretensão de seriedade impõe) a de “brincar”, a dos que querem apenas debitar umas larachas e uns bitaites sem qualquer espécie de restrição.
São episódios como o da publicação leviana de material pirateado do computador de alguém ou os das calúnias mais ou menos impunes que de vez em quando fazem notícia os argumentos que faltam às autoridades (e ao poder político) para interferirem de forma mais directa na blogosfera e, de alguma forma, lhe cercearem algo do que tem de melhor.
Em última análise, uma vez regulamentada essa intervenção será inevitável o excesso de zelo com que alguém decidirá acerca do fecho deste ou daquele “foco de infecção” que uma blogosfera livre necessariamente produz. E essa é uma tentação irresistível para qualquer tipo de poder, mesmo o mais democrático.
 
Resumindo: a blogosfera tem cada vez mais que decidir o seu futuro antes que alguém o faça por todos nós. Ou abraçamos um estatuto mais exigente e necessariamente mais responsável, acatando regras elementares de seriedade, ou enveredamos pelo fartar vilanagem e aguentamos as consequências.
Em causa está o caminho que cada pessoa que bloga tem a obrigação de definir para esta comunidade e para o que o nosso trabalho representará para a sociedade num futuro próximo.
 

E é na diversidade de escolhas possíveis no âmbito da questão acima que se fundamentam aqueles que como eu não desdenham o traçar de uma linha bem definida que distinga a realidade factual da existência de (pelo menos) duas blogosferas em paralelo e que deixe bem claros os contornos com que cada pessoa pretende utilizar o seu espaço, acarretando a aceitação das hipotéticas regalias como dos inevitáveis contrapontos na restrição ao livre arbítrio e em matéria penal e jurídica.

publicado por shark às 12:37 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (17)

A POSTA QUE GOSTAM DE BRINCAR ÀS ESCONDIDAS

Li algures que a maioria absoluta PS votará contra uma proposta de lei para tornar possíveis os casamentos homossexuais.

Pouco me surpreende, embora me desiluda. E nisto nem sou juiz em causa própria nem pretendo vestir a pele do liberal politicamente correcto para dar a pala. Rejeitar a lei em causa equivale a um mero adiamento do inevitável e é uma atitude que só serve para dificultar (ainda mais) a vida às pessoas, interferindo com o seu direito à felicidade como entenderem experimentá-la.
 
Custa-me a entender a cobardia política inerente à posição que o PS se prepara para assumir, renegando em prol dos interesses eleitoralistas a própria essência do que entendemos como um partido de esquerda. Em causa, visto tratar-se apenas da institucionalização de algo que acontece de facto e que envolve demasiadas pessoas para que existam atenuantes para esta posição da maioria rosa, está o reconhecimento legal de uma condição que em nada afecta os cidadãos que não a subscrevam.
Ou seja, nenhum prejuízo directo será sofrido pela sociedade que não o do nojo com que alguns, a qualquer pretexto, encaram certas diferenças. E isso conduz de imediato à conclusão de que se trata de uma cedência ao preconceito e não da defesa de alguma questão de princípio.
 
A liberdade de amar é sagrada e não se compadece de quaisquer renitências, fundamentalismos ou pudores. Não é algo que se deva colocar no plano das preferências do cidadão comum, ao livre arbítrio de meras opiniões.
Nem é necessário ser a favor ou contra a existência de relações entre pessoas do mesmo sexo para perceber que ninguém tem o direito de interferir nas escolhas dos outros só porque sim. A lei não obriga seja quem for a aceitar sequer um convite para as cerimónias matrimoniais gay…
Por outro lado, não estamos a falar dos “sagrados laços” do matrimónio mas apenas da assumpção jurídica do estatuto de cidadãos livres e iguais aos outros, o respeito pela diferença que nos merecem os que já sofrem na pele as variadas e cruéis variantes de discriminação que esta rejeição do projecto de lei acentua (pelo beneplácito do poder).
 
Enquanto heterossexual poderia optar pelo estar-me nas tintas, mas na pele de cidadão jamais pactuarei com esta tendência hipócrita para negar aos outros a validade das suas opções só porque me contrariam e a dignidade das instituições só pelo prazer mesquinho de os/as privar das suas realidades que preferimos escondidas.
Têm vergonha (ou medo) de quê?
Repito que se trata de escolhas que nem o são, pois somos o que somos e existem apelos e instintos que não conseguimos rejeitar. As pessoas não podem camuflar as suas emoções, os seus desejos. E têm o direito de amar quem o coração lhes mandar, livres do crivo censório de quem não tem mesmo nada a ver com o assunto.
 
Uma legislação desadequada é um factor de perturbação social, pois as mentalidades formam-se em boa medida com base no espírito que a lei reflicta.
Nesse sentido, a mensagem que o Parlamento transmitirá quando e se concretizar a sua recusa é a pior possível e constitui um retrocesso naquilo que, para todos os efeitos, constitui o progresso ideológico e a natural mudança nos costumes de qualquer sociedade que defenda valores (em teoria) que tentam desacreditar os maus exemplos que ilustram o lado negro da interferência religiosa ou política na vida dos cidadãos.
É essa abertura à evolução das ideias e dos costumes que distingue o modelo de sociedade que adoptamos e não faz qualquer sentido, apenas por conveniência política – não quero acreditar que derive da posição individual dos deputados em causa, negar sem argumentos válidos (pelo menos eu não os valido com toda a certeza) um direito cuja efectivação, aos olhos de tudo o que afirmei, constitui na prática um dever para qualquer legislador que se afirme livre de seguir o caminho da sua consciência em detrimento do sinuoso percurso que a disciplina partidária acarreta nesse particular.
 

E eu vou aguardar a confirmação desta péssima notícia para o Portugal em que cada vez menos me revejo, precisamente por sentir como minhas as dores de quem é descaradamente afectado/a por estas manifestações de uma mentalidade arcaica e de uma postura bafienta.

publicado por shark às 10:29 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (9)

LEI DO DIVÓRCIO APROVADA

Agora é só esperar que o senhor Presidente não se melindre com a questão...

publicado por shark às 09:11 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)
Quarta-feira, 17.09.08

NINGUÉM GOSTA MAS VÊM TODOS CÁ PARAR

Temos um colega novo no bairro, instalado na casa dos bicos virtual.

Ah, a informação saquei-a daqui.

publicado por shark às 18:18 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)

BLACK & WHITE

posto de observação

Foto: Shark

publicado por shark às 14:24 | linque da posta | sou todo ouvidos

Sim, sou eu...

Mas alguém usa isto?

 

Postas mais frescas

Para cuscar

2017:

 J F M A M J J A S O N D

2016:

 J F M A M J J A S O N D

2015:

 J F M A M J J A S O N D

2014:

 J F M A M J J A S O N D

2013:

 J F M A M J J A S O N D

2012:

 J F M A M J J A S O N D

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

2008:

 J F M A M J J A S O N D

2007:

 J F M A M J J A S O N D

2006:

 J F M A M J J A S O N D

2005:

 J F M A M J J A S O N D

2004:

 J F M A M J J A S O N D

Tags

A verdade inconveniente

Já lá estão?

Berço de Ouro

BERÇO DE OURO

blogs SAPO