Quarta-feira, 30.11.05

A POSTA ADITIVA

fora do cardume.JPG
Foto: sharkinho

Talvez pudesse ter sido de outra forma, claro. Seria diferente, não necessariamente para melhor. Nunca sabemos se uma opção alternativa traria resultados mais convenientes, apenas especulamos. E por isso mesmo é estúpido interrogarmos a validade das decisões à posteriori.
Tomaram-se, estão tomadas. Bute e venham de lá as consequências da responsabilidade que se assumiu para podermos decidir, mal ou bem, outra vez. Talvez melhor, pois contamos já com a avaliação do que presumimos ter sido um erro e orientamos as coisas em função de não o repetir.

O problema está no impacto das alterações necessárias. Mesmo quando visam fazer melhor o que estava aparentemente mal feito, provocam a natural reacção (alérgica) à mudança de que a maioria padece. É diferente, é desconhecido. Logo, é mau.

Isto a propósito de quase tudo. É este raciocínio que não adia as decisões determinantes mas atrapalha carradas de decisões que não interessam nem ao Menino Jesus. Valha-nos esse benefício. Porque de resto só complicamos o que é fácil à partida, avançar sem medos e com alguma ponderação. Pensar com o coração e submeter o resultado à apreciação da carola, para evitar o trapézio sem rede. Viver depois com o resultado das nossas opções e somar mais um grão à nossa infinda fuga à ignorância original.
O saber de experiência feito, calo no cu do macaco, gato escaldado e essas merdas. Maturidade e tarimba que a vida nos proporciona a cada esquina da nossa imperfeição combatida às cegas, sob os falsos pressupostos de uma educação cheia de equívocos e de castrações.

Mas antes de adquirirmos essa sageza, governamos a vida sob perspectivas menos avisadas.
Tudo isto para partilhar convosco uma conclusão.

Se fosse hoje fazia da mesma maneira.
publicado por shark às 09:12 | linque da posta | sou todo ouvidos
Terça-feira, 29.11.05

A POSTA NA FOTOGRAFIA VI

leitura baril.JPG
Empresa austríaca. Não sei de que ramo, pois não tive tempo para ler o resto...

Porque o saber não ocupa lugar.
publicado por shark às 17:31 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (4)

A POSTA NO DEVIDO LUGAR

conversa desfocada.JPG

É possível afastar de nós as pessoas por estimá-las (ou amá-las) demais. Soa paradoxal, mas não é. O excesso de dedicação confunde-se num instante com um impulso para a obsessão e tendemos a "abafar" o outro, guiados pelo medo da perda (instinto de posse), o inevitável egoísmo (chamemos-lhe ciúme) mais a onda paternalista tradicional. O outro sente-se manietado, sufocado e tratado como um imbecil sem vontade própria.
Eu sou uma dessas pessoas que insistem em forçar a barra dos que o rodeiam com uma estranha manifestação de excesso de zelo. E isto também se reflecte num elevar da fasquia que torna insuportável o nível de exigência que imponho a quem está próximo. Vale-me apenas o esforço de compensação que a minha entrega traduz, na amizade como no amor, embora nem sempre se revele um trunfo capaz enquanto moeda de troca.

Há quem lhe chame "personalidade forte", mas eu não lhe reconheço essa força nas fraquezas que suscita. Nos resultados finais. Porque afasto os outros como me afasto de mim. Forte é uma personalidade equilibrada, com espaço de manobra, flexível. Que sustente uma atitude em conformidade com o que os outros precisam em dado instante, disponível e generosa, sem pressões ou exigências estapafúrdias. À medida das necessidades que todos precisamos suprir.
Essa é a pessoa que eu gostava de ser, à altura. E isto não implica que me considere menos digno seja do que for em relação aos que me rodeiam, é o reconhecimento de uma debilidade na minha estrutura. Uma fraqueza que gostaria de eliminar, por na prática contrariar a ânsia que exibo por ser um gajo do agrado geral. E do meu.
O tal tipo porreiro que sempre me quis afirmar.

Deixa mazelas, a constatação de que somos diferentes daquilo que temos por "padrão" da nossa conduta, da nossa essência e do impacto da nossa presença na vida dos outros. Diferentes para pior, quando constatamos que afinal o inferno das nossas boas intenções mede-se pela distância a que os tais outros (que nos servem de "barómetro") se colocam para se salvaguardarem de nós. Pela prudência e pela saturação. Não existe volta a dar, é mesmo assim.
Defeitos e virtudes na balança. E o peso (o equilíbrio) determina-se pelo tipo de relações que fomentamos, pelo cariz das reacções que suscitamos, pela bitola que nos avalia do lado de fora da nossa vontade e da nossa convicção.
Os factos que nos entram pelos olhos e pela alma, quando a visão é aguçada e a lucidez não perdoa.

A blogosfera, como o resto da vida, obrigou-me a reequacionar uma porradona de ideias (pressupostos) que tinha por dados adquiridos na versão cristalizada do homem que sou (que acreditava ser) e dos outros (como os idealizava). No que me respeita e no que concerne ao meu papel na vida de terceiros.
Talvez consiga um dia ser uma pessoa melhor, mais consonante com o perfil que vestiria (na minha ambição) o conjunto de características que me compõem, com base neste ponto de partida tão bom como outro qualquer. Nas conquistas e nas perdas, nas expectativas e nas desilusões (os outros também erram). Na contabilidade fria e racional do mérito que me assistiu e do demérito que os factos não permitem desmentir. Na análise distanciada dos meus (d)efeitos nas intervenções que produzi e nas suas consequências à vista desarmada.
Nas contrapartidas que não consigo descortinar para a minha forma de encarar as coisas e de agir em consonância com o que me julgo, com o que me sentem e com aquilo que na verdade sou.

Sou um gajo decente mas com muita merda por expurgar.
Sou, no final das contas, um homem vulgar.
publicado por shark às 11:18 | linque da posta | sou todo ouvidos
Segunda-feira, 28.11.05

CONTAGEM DECRESCENTE - 6

Há coisas que não me fazem falta. Enxovalhos, por exemplo. Desconsiderações, desgostos, desilusões, essas merdas todas que dão cabo do humor a uma pessoa. Não fazem falta.
Por isso, nunca deixo de tomar as atitudes necessárias para me poupar a esse tipo de contratempos. A vida é curta e um gajo não pode desperdiçar tempo com situações frustrantes e com confirmações desgastantes que só servem para nos dar cabo do astral.
A decisão é fácil e a atitude está tomada.
Renovo os votos de uma excelente semana.
publicado por shark às 16:34 | linque da posta | sou todo ouvidos

A POSTA COOL

barbeiro.JPG
Sentido de oportunidade.
Foto: sharkinho

Uma boa semana fresquinha para todos(as)!
publicado por shark às 09:15 | linque da posta | sou todo ouvidos
Domingo, 27.11.05

MESMO AO PÉ

de mim.JPG
Foto: sharkinho

Sentado numa rocha diante do mar e do céu de inverno encontro tudo quanto preciso para estar próximo de mim.
É esse o meu ideal de solidão temporária, de momento e de cenário perfeitos para a introspecção.
Nas forças combinadas desses espaços onde a liberdade se anuncia poderosa está a energia que me alimenta. Na parede de rocha que me serve de chão está a solidez que ambiciono, a sensação de terra firme onde assento as certezas e saboreio as emoções.
Estou eu.

Sou eu, ali. Recortado num horizonte feroz, vestido de preto, mal distinto do cinzento em que me quero fundir. Bebendo das ondas que conquistam a terra, aos poucos, em pancadas de fúria que soam como trovões, a determinação e a confiança. Sorvendo das nuvens que conquistam o céu, aos flocos, em mantos de chuva que abafam o sol, a inspiração e a segurança.
Mais a rebeldia inerente e a teimosia latente destas forças da natureza que me falam de mim. Que me ensinam o que falta saber porque me falam ao coração como à cabeça, a amizade e o amor, conjugados numa mensagem de coragem (na vontade) e de comunhão (na pertença). De partilha sem perda da essência que nos faz e nos aproxima, sem perguntas nem explicações. O calor da minha luz no torpor de um dia frio.
Apenas eu. Mais o mar e o céu. E as sensações de arrepio.

Sentado num dia de inverno na orla escarpada da Boca do Inferno.
publicado por shark às 18:30 | linque da posta | sou todo ouvidos

CONTAGEM DECRESCENTE - 6 1/2

escolhe drunfo.gif

Obrigado pelo convite gentil que o teu sms corporizou.
fui e gostei.
Mas não imagino quando voltarei.
Raramente me atormentam as cefaleias.

Votos do maior sucesso ao colectivo e até sempre, João.

--/ /--

espirito da coisa.jpg
(CANCELADO)
publicado por shark às 17:55 | linque da posta | sou todo ouvidos
Sábado, 26.11.05

MAIS DO MESMO

mais uma.JPG

Aos poucos, a vida liberta-me dos engulhos e devolve-me aquilo de que me privou noutros períodos menos bons.
Como se tudo no universo se conjugasse para devolver o equilíbrio a todas as coisas, como se existisse de facto uma força superior que nos organiza a existência com moedas de troca que funcionam quase como uma lei das compensações.

Ganhos e perdas, equilibrados na balança. Na vida que dança ao ritmo das alíneas escondidas na pauta que firma o tom do contrato, talvez assinado por um Deus. A obra do acaso que nos desvenda o passo seguinte do plano concebido para cada um. Predestinação. Ou outra coisa qualquer que nos empurra para o momento da decisão que transforma as que virão a seguir.
Causa efeito Nas consequências que conseguimos explicar, nas coincidências que nos fazem interrogar quem manda afinal no caminho que percorremos. E quando morremos?
Quem aponta no calendário o dia em que soltamos a última das inspirações que nos estavam destinadas, peito cheio para as despedidas possíveis num suspiro final?

De uma irrelevância total, a quem devo agradecer as benesses concedidas ou praguejar as tristezas sofridas. Existe um deus em cada um de nós, mais o demónio que nem sempre conseguimos exorcizar. Acertam-se as contas no fim, com toda a certeza. E a vida é uma beleza quando a sabemos apreciar.
Não vale muito a pena pensar. Pelo menos, demais...
Ninguém anota as lágrimas que chorámos e as gargalhadas que deixámos por soltar. Somos nós a avaliar. Mais ninguém se interessará, na terra como no céu, pelos pecados que cometemos ou pelas orações que esquecemos na hora de deitar. Demasiada importância a questões de pormenor. Interessa-nos o amor.
E as histórias que temos para nos contar. As memórias que nos revelam como um espelho o que a nossa existência rendeu.

Um homem como eu não aceita as contas de sumir. A aritmética para rir, ao longo de uma aprendizagem que é feita de adições. O produto das emoções, dividido pelo tempo concedido pelo Criador (havendo um). A média do interesse que a vida nos despertou, a nossa presença no tempo de quem nos amou. Coisas que interessam ao objectivo primordial: que tenha valido a pena pela entrega total de que a vida se fez.

A uma amizade regressada e a um amor que se redescobriu, brindo com um beijo nos lábios do copo que deixo vazio.
E agarro a botelha pelo gargalo. Outra vez.
publicado por shark às 20:44 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (12)

A POSTA NA FOTOGRAFIA V

mar abracado.JPG
Foto: sharkinho

Contra ventos e marés. Quase um ano depois.
publicado por shark às 16:45 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)
Sexta-feira, 25.11.05

FEIOS E PORCOS E MAUS

caveman.jpg

Este não é, nem pode ser, um tema agradável. Convivi com o fenómeno até aos treze anos de idade, altura em que consegui impor pela força o fim de algo a que quis poupar uma irmã mais nova por quem me preocupava nessa altura.
A violência doméstica é um pesadelo sem sentido, é uma exibição grotesca de selvajaria com palco no que deveria ser um santuário para qualquer pessoa: a sua própria casa.

Na esmagadora maioria dos casos são mulheres as vítimas. Isto explica-se pelas abjectas questões ditas culturais (a educação que "os" perdoa), pela escassez de opções de quem sofre às mãos de um algoz "da casa" e, santa paciência, pela lei da selva onde o mais forte impõe esta regra medonha à bruta. Uma cobardia, sob qualquer prisma. E uma indignidade também, mesmo que de violência psicológica se trate.
A dor de quem se vê refém de um filme assim não se mede pelo teor das sevícias praticadas. Violência é violência e o resto são tretas.

Já falei neste espaço acerca do martírio que hoje está na ordem do dia. Aumentam os casos reportados às autoridades e mesmo que isso reflicta apenas o facto de mais gente avançar com a imprescindível denúncia, é uma estatística que nos envergonha em pleno século XXI.
Não há atenuantes para a violência doméstica. A própria expressão engloba o quão nojenta se revela esta manifestação de instintos pré-históricos por parte de alguns neandertais cujo lugar adequado é uma cela. Ou, perdoem-me a franqueza, uma cama de hospital (tá bem, pode ser no Miguel Bombarda...).

Insisto nesta tecla porque nunca é demais apontar o dedo às vergonhas e chamá-las pelos nomes, para que nenhum bandalho se consiga sentir mais macho por dominar a murro a sua companheira (e/ou o resto da família). É assim a realidade nua e crua e não existem paninhos quentes que a pintem de um tom menos hostil.
Este ano já morreram mais de trinta mulheres às mãos dos seus carrascos cruéis. Mais de trinta. As que morreram, pois as queixas são às centenas e os silêncios representam milhares.

É um problema, é uma vergonha. E tem que acabar, de uma vez por todas.
publicado por shark às 09:29 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (28)
Quinta-feira, 24.11.05

A POSTA NA LUBRIFICAÇÃO

afrodisiacos naturais.jpg

Depois de semanas, meses, a encontrar na caixa do correio os folhetos do costume (hipermercados, serralharias, excursões com oferta de tupperware e aparelhos auditivos grátis), foi com agrado que deparei com a apresentação cor-de-rosa da Erosfarma Intimidades.
Como o nome indica, esta empresa está vocacionada para o mercado do prazer. De resto, a foto de uma jovem esbelta com a mão na anca e expressão de actriz porno ladeando a linha completa de massajadores, lubrificantes e afins não deixa margem para dúvidas. "Prometemos melhorar a sua vida sexual!" Não fazem a coisa por menos.

Estou sempre receptivo às novidades nesta área, pois o progresso tecnológico faz antever verdadeiras revoluções na parafernália ao alcance dos(as) mais arrojados(as). E dos mais necessitados(as) também.
Por isso não juntei o folheto pink às recomendações da leopoldina para o Natal Comercial no cesto do lixo e decidi dar uma vista d'olhos (só para ver as ilustrações, claro) ao que a empresa (há 11 anos em Portugal - como é que eu não dei por isso?) propõe à vasta clientela potencial.

Logo à cabeça as Kraftdragees, as drageias da potência. O Zé, de Setúbal, another satisfied customer, refere que apesar de reformado ele e a Maria gostam de ter a sua vida sexual e pimba nas drageias que ligam o turbo e dão cabo do início de noite ao Chico e à Amélia do segundo direito que, lamentavelmente, afixaram o autocolante amarelo na caixa do correio e ficam assim privados da "extraordinária bomba de potência" que custa pouco mais de 14 euros. Uma pechincha.

Depois vêm as "super gotas" afrodisíacas que misturadas em qualquer bebida fazem com que uma pessoa não consiga deixar a "cama" (entre aspas, tão a ver?). Indicadas para diabéticos! Este artigo não me entusiasmou pois não necessito de gotinhas para exibir essa incapacidade terrível de deixar a cama. Todas as manhãs, não falha uma...

Mas há mais, no catálogo Outono/Inverno da Erosfarma.
O melhor creme para os amantes de sexo. Recomendado para bolas de berlim! (Isto sou eu a brincar) A Inês, de Ovar, afirma o seguinte: "Tenho sempre alguma dificuldade em excitar-me, mas depois que o meu marido me aplicou Erotisin Creme, tudo se tornou mais fácil, até para ele!". Mais fácil o quê? - , perguntarão.
É que o creme, devidamente barrado, actua exactamente onde é aplicado, nos centros de prazer do homem e da mulher (ou seja, directamente no cérebro).

Não liguei ao perfume com feromonas, mas não deixei de reparar no facto de o P, de Lisboa, colocar a seguinte questão: "a verdade é que as mulheres caem-me todos os dias no colo quando vou no autocarro, será coincidência?!"
Talvez seja coincidência, P, mas à cautela eu começaria a ceder o lugar às senhoras sem as forçar a medidas tão radicais e que, em circunstâncias extremas de inclinação da via e de peso da passageira podem causar danos que nem as drageias de potência conseguem contrariar.

Passei então ao artigo que mais chamou a minha atenção, pela fotografia. No que à primeira vista me pareceu um aparelho medidor de tensão, o Seaman's Pump, estava afinal um pequeno ginásio para o atleta de barguilha. Uma bomba de vácuo para exercitar o pénis, destinada a "desobstruir os corpos cavernosos" do dito. E ainda promete um "aumento generalizado do pénis". Generalizado, note-se. E ainda remove as obstruções dos corpos cavernosos (faz impressão, um gajo saber que tem coisas destas num sítio daqueles...).
Confesso que não me imagino a enfiar o meu apêndice pela "manga interior em silicone com saliências massajadoras" adentro e dar à bomba como se estivesse a encher os pneus da bicicleta, mas uma pessoa nunca sabe o dia de amanhã e quando começa a cair-nos o cabelo tememos logo que nos vai cair também a força na verga (pardon my french).

À cautela, guardarei o folheto. Nem que seja para ter à mão o contacto de quem me pode fornecer o "Super Pacote Surpresa", um kitkeka que inclui um vibrador em borracha, um lubrificante neutro, um afrodisíaco em gotas, 3 preservativos neutros e lubrificados (trazem feita a revisão dos 5.000), um óleo de massagem super deslizante, um slip sexy para ele, um slip sexy para ela e a surpresa de um brinde Erosfarma (que imaginamos não ser um colete reflector nem uma frigideira anti aderente).
E terei sempre à mão os contactos desta Super Empresa para os ceder a qualquer colega que se veja confrontado com aquele problema que, de acordo com o Nicolau Breyner, afecta meio milhão de portugueses.

Só assim poderão juntar-se ao Alberto, um idoso de Almada, que afirma "ter desenvolvido uma língua com aumento generalizado e potência extra para as mais variadas brincadeiras". Embora reconheça que o Wild Climax, lubrificante íntimo à base de água, não gorduroso, não tenha produzido os resultados esperados a "reduzir a fricção na zona mais sensível da sua anatomia traseira".
publicado por shark às 11:12 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (16)
Quarta-feira, 23.11.05

A POSTA NA MEMÓRIA

sempre.JPG

Os sons, os cheiros, as palavras, os rostos, as gargalhadas.
O encanto de um olhar.

Faz-me bem.
Saber-me lá.
publicado por shark às 23:08 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (14)

A POSTA AVISADA II

so close.JPG
Foto: sharkinho

Agora é a minha vez de brincar.
publicado por shark às 17:14 | linque da posta | sou todo ouvidos

CONTAGEM DECRESCENTE - 7

password.gif

Ontem, um gesto bonito de uma amiga que bloga levou-me a colocar a mim próprio a seguinte questão: quando chegar o dia de encerrar este blogue (e subsequentemente a minha presença na blogosfera), o que irá acontecer com as minhas actuais ligações blogueiras?
Ou seja, qual será a força dos laços que me unem às pessoas que blogam e se tornaram boa parte das minhas referências em matéria de relações sociais? Resistirá à minha "perda de estatuto", ao meu alheamento total deste fenómeno?

São questões pertinentes para quem está nisto há mais de um ano e já experimentou alguns cortes radicais em relações de amizade e de confiança estabelecidas neste meio. A fragilidade das relações blogueiras evidencia-se ao primeiro choque de personalidades, quando chega a hora de exibir na prática a tal confiança que acreditamos.
É nesses momentos de crise que uma amizade virtual se pode comparar a uma congénere analógica. No meu caso pessoal, o balanço é sintomático: poucas foram as situações melindrosas que não resultaram no arrefecimento ou mesmo na extinção dos contactos com as pessoas envolvidas.
A margem de manobra para os erros (tão humanos) é menor para os nicks do que para os nomes reais e os rostos de carne e osso.

A iniciativa da minha amiga que bloga surpreendeu-me por desmentir esse pressuposto. Confrontada com o que lhe indicia (com alguma razão) o meu caminho inexorável para a saída desta amálgama de umbigos virtuosos, preocupou-a o que virá a seguir.
E tratou de me evidenciar a sua disponibilidade para um depois, para a manutenção de um laço que se criou com base naquilo que somos e damos a conhecer aqui mais do que em qualquer outra condição (por inerência do strip psicológico a que nos submetemos).
Por contraponto, outras amigas e amigos blogueiros deixaram cair o meu nick (e o meu nome) ao primeiro precalço que o nosso desacerto pontual provocou.

Confesso que não alimento grandes esperanças no futuro das minhas ligações nascidas deste meio, as mais como as menos próximas, pois a estatística não me deixa hipóteses de sonhar e a prática indica que só uma atitude consensual permite prolongar o "estado de graça" que se cria entre a maioria de nós. Basta olhar para os nicks de quem comentava o charco há uns meses atrás e compará-los com estes dias. Ou reparar nos emails que hoje me chegam (e que eu envio), por contraponto com os do passado recente (que em termos blogueiros equivale a uns anos atrás).
À mínima contrariedade, o fim. Mesmo quando não anunciado, apenas confirmado pela ausência de contacto a partir do momento desse "choque tecnológico" que quantas vezes não reflecte a essência das emoções mas apenas a inevitável má interpretação das palavras que nos definem a imagem junto das outras pessoas.
Os malentendidos na blogosfera são frequentes e liquidam muitas vezes aquilo que julgamos serem elos duradouros.

Por isso não sou optimista quanto ao que virá a seguir, mesmo considerando o gesto da amiga que hoje serviu de inspiração para a minha posta. Foi um sinal quase isolado, por parte de quem poderia seguir na boa o mesmo rumo de quem até hoje não me perdoou algum dos deslizes que cometi. E foram vários, considerando o figurino que acima tracei.
Isto leva-me a concluir que as amizades nascidas na blogosfera não possuem a consistência das outras, duram menos e cedem com maior facilidade aos conflitos e às ausências de uma visita de cortesia.
Tu, a quem agradeço a diferença, foste a excepção a duas regras de ouro nestas andanças.

Na blogosfera, quem não aparece esquece.
E quem tropeça nunca mais se levanta.
publicado por shark às 10:08 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (48)
Terça-feira, 22.11.05

CONTAGEM DECRESCENTE - 8

na%20linha.JPG
A linha do comboio de chelas. É só baixar a carola...

Não sei se repararam, na caixa de comentários da minha posta anterior, num tal de Gomes (que se chama Gomes hoje mas pode chamar-se outra gaita qualquer amanhã). Estes nicks inventados à pressa representam uma das cenas na blogosfera que mais me adiam o momento de lhe virar as costas.
É que eu tenho um feitio danado e estimulam-me estes coices de mula da parte de quem, manifestamente, se sente incomodado com a minha presença mas não consegue descolar da minha sola. Dá-me vontade de insistir, só para provar que não vou lá com meia-dúzia de atoardas de um bacano (ou de uma bacana) qualquer. Até porque quando saem da linha apagam-se nas horas com um simples clique num botão.

Sim, porque esta coisa de se inventar um nick e um email para proteger nem sei bem o quê (mas acho que vocês adivinham) só para se poder destilar uma aversão mórbida durante dias a fio tem muito que se-lhe diga. É coisa típica de medíocres e eu, como já referi, gosto de lidar com eles sem qualquer espécie de contemplações. Mesmo os que blogam, aproveitando esta via para exibirem a sua sexualidade reprimida ou os seus recalcamentos amordaçados pela incapacidade de fazerem melhor.
Temos que os destacar, para se esticarem e assim revelarem num tique de expressão ou num IP repetido a sua identidade, a sua essência mesquinha que os leva a tentarem emporcalhar o que os outros produzem.

É que estas aventesmas são livres de embirrar com um gajo qualquer por não se sentirem com arcaboiço para marrarem com o comboio de chelas. Porém, topa-se que o fazem da forma mais gratuita, incapazes que são de assumirem e justificarem as suas apoquentações (com argumentos, percebem?). E depois há aquele raciocínio lógico: se não gostam e até estrebucham, porque carga d'água insistem em voltar? Dor de cotovelo, rapaziada...
Isto de criar e manter um blogue parece fácil a quem se limita a assistir na bancada, como o Gomes e outros da sua igualha.

Mas o Gomes ou lá o que o pinte faz parte desta versão figurada da realidade que vivemos lá fora, onde também não faltam os que ficam de fora a zurzir na obra alheia. Levo com eles na minha componente analógica e dou-lhes a mesma resposta: se está mal feito, mostrem-me como se faz melhor. Mas façam.
E eu seguirei humildemente o seu exemplo.

Para já, fico mais um bocadinho. Pelo menos enquanto os "Gomes" me derem conta da sua pressa...
publicado por shark às 17:43 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (23)

A POSTA NAS HISTÓRIAS

fogo fatuo.gif

Atormentam-me as histórias que deixarei de contar. E mais ainda as que contei, por sabê-las agora irrepetíveis.
Nessa representação do que mudou, nesse farol que assim se apagou, vejo o medo por detrás da minha hesitação.
Hesito acreditar. Receio deixar-me atraiçoar pelo excesso de fé.
A fé no futuro de um farol que não ilumina agora os caminhos percorridos nem desvenda os que no futuro se querem percorrer.
Às cegas. Desprovidos da luz, da energia das histórias e da vontade indómita de as perpetuar na memória e no papel.
Um final com sabor a fel para um símbolo do que se perdeu.

--/ /--

Alimentam-me as memórias que cuidarei de preservar. E mais ainda as que amei, por sabê-las inesquecíveis.
Nessa lembrança do que ficou, nesse rumo que assim se traçou, vejo a esperança abraçada à minha convicção.
Decido avançar. Sem temer a traição que o medo inventou.
O medo de um passado que não faz história na vitória que o presente concedeu.
Às claras. Livres da escuridão, para viver as histórias que um dia se contarão sob a luz de um luar reflectido no mar e nos olhos brilhantes de quem as projectou num amanhã melhor.
Uma história de encantar, como todas as histórias com um final feliz.

fortaleza1.JPG
Foto: sharkinho
publicado por shark às 01:54 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (21)
Segunda-feira, 21.11.05

A POSTA INDIVIDUAL

bons%20voos.JPG
Foto: sharkinho

Sem a certeza que busquei, aguardo o que o futuro revelará.
Cumprirei o meu papel.
publicado por shark às 20:55 | linque da posta | sou todo ouvidos
Domingo, 20.11.05

CONTAGEM DECRESCENTE - 9

ao caminho.JPG

Outro passo está dado, difícil mas imprescindível. Para não atrapalhar. A mim e aos outros. E para oferecer mais tempo a tudo o que precisa acontecer a seguir.
De insubstituíveis está o cemitério cheio.
publicado por shark às 20:57 | linque da posta | sou todo ouvidos

CONTAGEM DECRESCENTE - 10

passos no vazio.JPG
Foto: sharkinho

O primeiro número já aconteceu. O tempo escoa-se e nós tentamos medi-lo para nos castigarmos com a marca inapelável da sua passagem que nos arrasta para o fim de todas as coisas.
Falta menos um pedaço para acontecer o que a vida programou para o final da contagem, desta contagem descrescente que é a minha, que é a nossa, para definir um ponto imaginário onde cravar o marco que assinala o momento em que algo aconteceu. Ou irá acontecer.

Nunca fui adepto de charadas embora tenha construido algumas. E sei que nada ficará por explicar quando chegar o número um desta sequência.
Depois? Bom, depois vem uma continuação.
Outro caminho pelo meio da multidão.
publicado por shark às 18:35 | linque da posta | sou todo ouvidos

A POSTA PESQUEIRA

pescadela.JPG
Foto: sharkinho

Não pesco nada disto.
publicado por shark às 15:41 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (2)

A POSTA AVISADA

so de ida.JPG
Foto: sharkinho

Começou a contagem decrescente.
publicado por shark às 13:19 | linque da posta | sou todo ouvidos
Sábado, 19.11.05

CÍRCULO BLOGAR CÁUSTICO

porcas e parafusos.gif

Numa fase em que diversos(as) colegas discorrem acerca da sua actividade blogueira (e da dos outros, claro, que isto só lá vai por comparação), entendi que seria um bom mote para a minha posta "de aligeirar".
Sim, porque isto da gente saturar as pessoas com temas deprimentes como a fome no mundo, a política ou a irregularidade do Glorioso no seu nível exibicional acaba por ter repercussões no nosso blogue (em nós) que nunca suspeitaríamos. Um pouco como o efeito dos telejornais.
Por outro lado, a perspectiva umbiguista esgota-se quando percebemos (em choque) que pouco mais temos de nosso para partilhar sem darmos à plateia blogueira (sedenta de pretextos para nos achincalhar, mesmo em surdina) mais umas munições para a sua escrita trauliteira pela qual, naturalmente, nutrem a maior admiração.

Pela escrita e pela pessoa, pois é raro o blogueiro capaz de se submeter sistematicamente ao enxovalho por parte dos abutres que já esgotaram a sua quota de novidades de índole pessoal. É que as vidas correm, para a maioria de nós, entediantes e não constituem um viveiro natural de postas. Vai daí, tendência irreprimível, passam a ser as vidas (e os blogues) dos outros a constituir a alma do negócio. E rende, a coisa, bem esmifradinha, como se constata em blogues com bastante projecção como noutros sem projecção alguma.
Por projecção entenda-se "quota de mercado", algo que se mede em unidades de consumo registadas por contadores. Claro que os mais ciosos não expõem à saciedade essa estatística que lhes pode reduzir o orgulho a pó. É que a malta também se mede uns aos outros por essa bitola e quem está nisto há uns anos nunca compreenderá como é que um blogue juvenil consegue, de repente, dar nas vistas. É um fenómeno muito humano e por isso também atrai as fraquezas inerentes (como a inveja e a dor de corno que tanto amargam os discursos dos "veteranos" menos "populares"). E ainda por cima, por muito que se ocultem essas "vergonhas" numéricas, lá estão as caixas de comentários a denunciar a falta de pachorra do pessoal para as tricas e os amuos publicados.

Mas o fenómeno acaba por existir apenas porque se atribui demasiada importância à estatística. A popularidade, um privilégio ao alcance de apenas uma ínfima percentagem de sobredotados(as) e de figurões, é um factor secundário quando o que está em causa é o talento das pessoas para se comunicarem. Naturalmente, os medíocres raramente saem do anonimato que os contadores, mais os trackbacks, mais os linques, mais o número (e a qualidade) de comentários acabam por reflectir. Mas existem blogueiros magníficos, poucos, que permanecem "na sombra" apenas por uma questão de falta de jeito para se promoverem ou por optarem por temas sérios a que ninguém parece dar grande importância nesta comunidade virtual. Ou porque não angariaram amigas(os) capazes de os distinguirem com linques que os projectem para um patamar sofrível de "audiência", como acontece a alguns que desapareceriam nas trevas sem o auxílio impagável desse empurrão "mediático" tão eficaz (e notem como acabo de fazer precisamente aquilo que pretendo criticar).

Como na vida lá fora, a antiguidade é um posto na blogosfera. Mas não basta para conferir a quem bloga um estatuto à altura das expectativas dos mais ambiciosos, por quanto se empoleirem em bicos dos pés num caixote de fruta de onde se esganiçam para uma sempre exígua multidão. Por mais voltas que se dê, a malta que bloga não dá muito crédito a quem envereda, por muito bem que se exprima, pela política do "aquele(a) é uma merda e por isso olhem só pra mim, tão refinado(a) filho(a) da puta que sou". Deve doer à brava um fracasso assim, a quem liga a essas tretas. É duro ver escapulir algo que se ambiciona e ter que admitir que a culpa não compete a terceiros mas sim ao fraco desempenho dos que não interessam a alguém por mais do que umas semanas. E a blogosfera, como a vida lá fora, é sincera e não nos poupa a derrotas e a frustrações.

Tudo isto para vos dizer que o verdadeiro problema da blogosfera, o que a atrofia, é precisamente a mentalidade mesquinha que grassa na maioria dos blogues (das pessoas que blogam). Em vez de surpreendermos pela positiva dedicamo-nos à má onda recíproca e esbanjamos a nossa "arte" em guerrinhas que espantam o maralhal, sobretudo o de fora (alheio aos ódios de estimação e aos grupelhos que se enredam num circuito fechado de maledicência inócua ou de descarada bajulação).
Eu, que estou no grupo dos "intermédios" (que nem são velhos qb para lhes reconhecerem o mérito da persistência nem jovens o bastante para recolherem o efeito da novidade), sinto alguma dificuldade em escolher um registo para o meu blogue, uma linha editorial se assim o quiserem.
Ando às apalpadelas em busca de assuntos que possam interessar às pessoas que aqui gastam o seu tempo, sem as fazer sentir a noção de desperdício, de tédio indisfarçável que a maioria dos blogues nesta altura me provoca.

Parecemos umas comadres plantadas todo o dia à janela em busca da informação alheia para no dia seguinte a partilharmos de forma cáustica com as vizinhas do lado, nas entrelinhas de uma posta ou nas piadinhas de comentador(a).
Temo pelo futuro desta cena. E confesso-me à nora, em boa parte dos dias, para a conseguir suportar.

Sobretudo quando reparo no desinteresse que os assuntos (os blogues) mais sérios inspiram nas decisões de quem bloga.
A malta foge da seriedade com a mesma pressa com que fomenta e divulga as paródias (que o são) ou as tricas (que o são também) que, doa a quem doer, são a alma deste "negócio" da blogosfera.

Por isso entendo o desabafo do homem que mais citei até hoje neste espaço, o Eufigénio dos parafusos.
E embora aceite o meu quinhão de futilidade no que blogo e no que dou a blogar, sinto que existia meses atrás um equilíbrio nos conteúdos e nos interesses que agora desapareceu. Como se estivesse em curso uma guerra das audiências entre um grupo alargado de rádios-piratas ou a rapaziada tivesse deixado de acreditar na diferença que se pode fazer com a força das ideias e das palavras. Com o debate construtivo acerca das várias questões que a vida nos coloca e não podemos discutir com facilidade noutro lugar ou noutra plataforma qualquer.
É isso que procuro na blogosfera e, tal como o Eufigénio, sinto cada vez mais difícil encontrar os espaços à medida dessa pretensão.

Arrepia-me a frieza que se instala aos poucos na nossa comunidade virtual.
E cada vez menos procuro o agasalho.
Sou um blogueiro em crise de fé.

blogger actual.jpg
publicado por shark às 20:20 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (8)

A POSTA EM SENTIDO FIGURADO

barbas.jpg


Best_adv.jpg


ventania.jpg

Bom fim-de-semana! :-)
publicado por shark às 01:37 | linque da posta | sou todo ouvidos

A VER NAVIOS

hora de dormir.JPG
Foto: sharkinho

Um dia, no final da vigília, a surpresa de um até amanhã.
Esqueci-me de avisar.
E a intenção era só minha...
publicado por shark às 01:16 | linque da posta | sou todo ouvidos
Sexta-feira, 18.11.05

A POSTA DE CARNAVAL

ilusao%20optica.JPG
Foto: sharkinho

Sempre que visito um blogue dou bastante atenção às ilustrações que os colegas seleccionam para cada uma das suas postas. Em casos específicos, o profundo sentido de humor do blogueiro revela-se no "boneco" (ou na boneca) que escolhem a dedo para adornar os seus textos na paródia.
Tenho encontrado de tudo nessa matéria e, regra geral, fico surpreendido com a originalidade do critério. Outras vezes impressiona-me o arrojo. E outras ainda deixam-me estarrecido pelo desplante de quem as publicou.

Algumas fotografias de aparência inocente, quase pueril, podem funcionar como autênticos insultos quando integradas no contexto de determinada posta ou de quem a escreveu. São um recurso valioso para quem bloga nas entrelinhas (e às vezes é nelas que se encontra a "caricatura").
Mas claro que nem sempre a escolha é suficientemente discreta para evitar que um malabarismo genial se transforme numa lamentável exibição de esperteza saloia.
É um risco que se corre quando gostamos de brincar com coisas sérias.

Como no caso dos que brincam com o Carnaval fora de época, tentando disfarçar uma piada de gosto duvidoso com uma rábula fotográfica que jogue com determinadas parecenças físicas. A tentação do oportunismo, da brincadeira fácil em proveito próprio (o gozo interior), pode trair o melhor dos propósitos.
E ainda há, sobretudo no estrangeiro, quem tente ludibriar as "audiências" com uma variante: explorar as alegadas parecenças para darem o ar de que algum dia estiveram próximos de alguém que, afinal, deles (bad jokers) só procura distância.

E eu dou-vos um exemplo concreto:
Digam lá assim de repente se o gajo vestido de preto na foto não é parecido o suficiente com vocês-sabem-de-quem-eu-estou-a-falar para poder armar-me aos cucos, um aprendiz de paparazzi, enquanto autor e seleccionador do "boneco" ideal para fazer valer o meu ponto de vista?

Garanto que não estou a brincar.
Levo muito a sério estas coisas...
publicado por shark às 00:31 | linque da posta | sou todo ouvidos | cuscar sem medos (11)

Sim, sou eu...

Mas alguém usa isto?

 

Postas mais frescas

Para cuscar

2017:

 J F M A M J J A S O N D

2016:

 J F M A M J J A S O N D

2015:

 J F M A M J J A S O N D

2014:

 J F M A M J J A S O N D

2013:

 J F M A M J J A S O N D

2012:

 J F M A M J J A S O N D

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

2008:

 J F M A M J J A S O N D

2007:

 J F M A M J J A S O N D

2006:

 J F M A M J J A S O N D

2005:

 J F M A M J J A S O N D

2004:

 J F M A M J J A S O N D

Tags

A verdade inconveniente

Já lá estão?

Berço de Ouro

BERÇO DE OURO

blogs SAPO