A posta que é um espelho do dono

Quando falava, aquela pessoa parecia passear as palavras com uma trela. Açaimadas para não poderem morder alguém, treinadas para jamais espalharem pelo caminho algum dejecto que aquela pessoa tão limpinha pudesse ter que apanhar do chão.

As palavras lá iam saindo, direitinhas, domesticadas, sempre as palavras bem comportadas que qualquer dono gostava de ter.

Palavra deita! Palavra rebola! E as palavras obedeciam, amestradas, sempre palavras bem treinadas para brilharem, para encaixarem na imagem daquela pessoa como peças de lego da sua construção de pessoa muito dona de si e das palavras que recolhia aqui em além, caridade verbal, para depois as transformar em palavras de estimação que passeava diante dos potenciais observadores.

Aquela pessoa falava sempre aquilo que melhor poderia soar consoante a outra pessoa ou a ocasião. Hoje uma palavra Golden Retriever, simpática e com um ar ternurento, amanhã uma palavra São Bernardo, tão imensa como a pessoa sua dona que a contemplava vaidosa do cimo de um altíssimo pedestal.

E as outras pessoas admiravam aquele dom, surpreendidas pela forma como as palavras eram tão bem ensinadas a cumprirem o seu papel, passeadas com elegância por aquela pessoa até ao dia em que alguém tentou aproximar-se para as observar com mais atenção e questionou a sua aparência tão perfeita que parecia irreal.

Afinal a questão nem se colocava, aquela pessoa tão correcta rosnava palavras de raça perigosa quando sentia ameaçado o seu território que lhe parecia um bem cuidado jardim e soltou as feras perante o olhar espantado de quem já se tinha habituado a um exemplo de postura.

Quando ladrava, aquela pessoa parecia que atiçava as palavras ferozes para atacarem o outro que soltava as suas pequenas e inconvenientes interrogações. As palavras daquela pessoa transformavam-se em leões, vociferadas para lhes enfatizar a agressividade que dirigiam à tal outra pessoa que as provocou com a sua inquisição.

 

Eram palavras de pessoa mas pareciam mesmo palavras de cão.  

publicado por shark às 23:52 | linque da posta | sou todo ouvidos