DA MINHA ALMA CONTUSA

A minha alma padece de diversos problemas. Dito assim, dá ideia que tenho uma alma doente mas esse é um diagnóstico que não posso confirmar. E isso acontece porque um dos maiores problemas da minha alma reside precisamente no facto de nela eu não acreditar.

 

Bom, claro que no final do parágrafo acima desponta uma contradição óbvia. É típico dos agnósticos, julgo eu, este fenómeno da balança que pode pender para qualquer um dos pratos quando se fala nestes assuntos um nadinha mais transcendentes. Sim, o vudu e os raptos por extraterrestres também entram nesse escorregadio domínio das coisas que podem existir ou não e uma pessoa tem que ir vivendo como pode com estes dilemas.

 

Mas falava-vos eu da minha alma e de como a existir seria uma alma em pior estado do que o corpo que pouco tenho feito para estimar. Seria uma alma intermitente, mais do que uma alma doente, algo desequilibrada e de alguma forma desorientada com as repercussões da ocupação deste mero invólucro que, com base nestas premissas, eu seria.

Esta casca é uma má companhia para as almas que se querem sem os problemas que a minha certamente teria, em existindo para lá da minha capacidade de a racionalizar, como se isso fosse possível, para no mínimo poder falar-vos dela aqui com uma linha de orientação para o raciocínio que, se a minha alma existisse, seria o seu também.

 

Mas a minha alma, como acima vos referi, seria uma alma com problemas, coitada. Completamente desorientada, à toa em busca de um rumo consistente, confusa. Completamente desequilibrada, sempre a tropeçar e a cair nos buracos que um corpo como o meu parece atrair.

Contusa.

publicado por shark às 11:05 | linque da posta | sou todo ouvidos