SERÁ DE MIM?

Sou constantemente surpreendido pelo desfasamento entre a imagem, o perfil que traço dos outros, e as suas reacções ou, acima de tudo, a ausência das mesmas.

Ou seja, depois de ultrapassada a fase em que não sei nada acerca de alguém e começo a saber o bastante para interagir com essa pessoa, sob qualquer pretexto, começo logo a lidar com o que, para todos efeitos, é uma enorme e generalizada cara de pau que se manifesta pela forma leviana como os outros se sentem desobrigados de oferecerem explicações acerca de assuntos que de alguma forma os melindrem ou possam levá-los/as a fazerem (assumirem) má figura.

 

Eu acho isto deselegante, nalguns casos cobarde. A interacção (saudável) entre as pessoas pressupõe que de vez em quando aconteçam episódios menos claros ou mesmo desagradáveis que até podem passar pelo menor grau de conhecimento do outro (algo de normal neste meio virtual, por exemplo) que conduz a uma calinada involuntária.

Tão simples como isso. E depois é ainda mais simples, basta agir como uma pessoa crescida e sensata e bem intencionada e esclarecer e/ou corrigir o malentendido ou o falso pressuposto.

Ou pelo menos encerrar o assunto de uma forma mais digna do que optar pelo desprezo que o silêncio pode assumir quando não é devido em determinadas circunstâncias.

 

São estas sucessivas provas de que algo de diferente, e não necessariamente para melhor, está a acontecer nas relações entre as pessoas que por vezes me desorientam.

 

E quase sempre me afastam mais um pedaço da vontade de interagir seja com quem for que não faça já parte do núcleo duro da malta amiga/conhecida por quem posso responder enquanto pessoa em condições. 

Tags:
publicado por shark às 10:18 | linque da posta | sou todo ouvidos