A POSTA NUM LIVRO ABERTO

Sou um dado tão adquirido como aqueles de jogar. Tanto me pode dar para a calma e a para a boa disposição como ficar virada para cima a face mais inesperada em dada altura. A mais pequena coisinha pode fazer toda a diferença e há detalhes insignificantes para os outros que têm em mim o impacto de uma descomunal desconsideração.

E não existe qualquer excepção a esta face da minha natureza imprevisível, sou mesmo um gajo impossível de prever nas reacções quando chego às piores conclusões ou algo me cai na fraqueza.

 

Ninguém me afirme certo, garantido, na mão. Basta sentir-me esquecido, ignorado, de alguma forma menosprezado e fica de imediato sem cavilha a granada que poderá estilhaçar as certezas seja a quem for. Sou assim na amizade como no amor e não faço a festa por essa constatação que, se me garante de forma teórica o cuidado por parte de quem me aceite como sou é igualmente eficaz do ponto de vista da minha solidão futura quase garantida por quebra da paciência de quem a dedique a essa tarefa espinhosa de me suportar.

O fenómeno não se faz sentir apenas nas minhas relações em curso mas também nas que nem chegam a começar, precisamente por constatar o excesso de confiança, que entendo como um sinal futuro de desleixo na manutenção do nível de emoção e de presença.

 

É uma tarefa digna de titãs, manter controlada a minha irrequietude, a embirração e a picardia, o mau feitio, a inegável propensão para fugir de quem possa sentir como indiferente à necessidade absoluta de me mimar, de me estimar, de me amar de forma quase incondicional a todo o tempo, se me quiser.

É insuportável, visto assim. Bem o sei. E por isso dou de mim em troca, tudo quanto me ocorra, tudo quanto saiba e consiga oferecer para no fundo combater a saturação que pessoas como eu conseguem inspirar nos outros com a facilidade com que se jogam sobre a mesa os tais dados de jogar que afinal só possuem seis faces possíveis de calhar.

 

A parada é muito elevada quando a jogo estão as que eu sou capaz de exibir, tão versátil me revelo na tendência para disparatar.

publicado por shark às 00:21 | linque da posta | sou todo ouvidos