KEEP IT SIMPLE

O ponto alto da minha manhã deste dia foi uma reunião com o meu melhor cliente, o que sempre torna qualquer reunião determinante e quase decisiva para mim. E não estou a exagerar: a perda daquela empresa teria como consequência inevitável uma profunda mudança no meu estilo de vida.

 

Nem sempre decorreram de forma agradável as reuniões periódicas de acerto das agulhas que um relacionamento comercial frequente implicam. Contudo, a de hoje provou-me até que ponto o sucesso está ligado à atitude, mais até do que com a eficiência.

Na prática acaba por ser uma questão de atitude. À minha evidente descontracção (não tenho veia de actor, era mesmo o caso) correspondeu de imediato uma reacção menos tensa e muito mais informal por parte das outras três pessoas na sala.

Descontracção não equivale necessariamente a balda e tudo passa pela confiança que conseguimos transmitir, a par com a bagagem necessária para nos provarmos capazes para a função. E se eu fosse atrás do receio instintivo de que algo pudesse correr mal, certamente correria. É fatal como o destino.

Assim, a reunião resultou clara e profícua para as partes interessadas.

 

Tudo isto para vos dizer que a vida só não é fácil porque a complicamos (exceptuando as fatalidades imprevistas que nos aterram no prato da sopa, claro) e no que toca a relações comerciais (que são relações humanas na mesma) as pessoas começam a estar saturadas do excesso de formalidade que num contexto de crise financeira só serve para atrapalhar com fatos e gravatas o roupeiro e o mealheiro de uma pessoa. Isso mais o próprio tom com que as conversas podem decorrer, em função das nossas escolhas nessa matéria.

Ganho a vida como comercial e possuo uns anos de tarimba nesta coisa de lidar com pessoas. Se alguma coisa aprendi foi que nas épocas mais complicadas preferimos lidar com as coisas de uma forma mais simples, mais directa e sem mariquices supérfluas ou desnecessárias.

 

E hoje partilho convosco a alegria da renovação da minha ligação comercial mais importante precisamente para que tenham sempre em conta esta alternativa nas vossas decisões de relacionamento com terceiros, qualquer que seja o seu âmbito ou natureza. Mal não faz e até pode ser que os resultados vos surpreendam.

publicado por shark às 15:12 | linque da posta | sou todo ouvidos