NUM ESPAÇO ENTRE ESTRELAS

nascituro

Foto: Shark

 

O momento de silêncio instalou-se entre ambos e deslocou o centro das suas atenções para os olhares.
E naquele instante ela sonhou-se felina, arrojada, disponível para o receber. Ele, atordoado, imaginou-se transformado em vento ou mesmo num manto quente de nevoeiro de Verão, capaz de a envolver por completo num abraço interminável, de mergulhar no seu regaço em busca dos pontos mais recônditos para explorar.
 
Construíram sem pressa uma ponte naquele olhar intenso.
Mas atravessariam a nado a curta distância que os separava, agitando a cada braçada o leito sereno do rio imaginário para uma enxurrada que explodiu nas suas bocas onde as palavras, arrastadas pela força da torrente, se converteram em sons que flutuaram à deriva ao sabor da brisa pelo silêncio da noite mágica que os acolheu no seu reservatório de memórias perdidas no tempo, num espaço entre estrelas.
 

Muito perto de um ponto no horizonte onde o sol não tardaria a nascer.

publicado por shark às 12:18 | linque da posta | sou todo ouvidos