TOPO DO MUNDO

prestes a zarpar

Foto: Shark

 

De que te serve trepares ao cume da montanha se não quiseres ser o primeiro a assistir ao nascer do sol?
Porque acumulas conhecimento e a isso dedicas o teu tempo se não pretendes depois ensinar alguém ou apenas aplicar na prática tudo aquilo que a teoria te revelou?
E porque esqueces quem algum dia te amou, nesse presente valioso que o passado te ofereceu, ignorando tu se no futuro ainda existirá alguém capaz de te sentir assim?
 
Abre os olhos ao horizonte e deixa que ele te surpreenda como uma fonte infindável que jorra espectáculos de luz e de cor.
Aprende a utilizar o teu saber acumulado, valioso, no teu mundo ansioso pela vitória da inteligência sobre a inútil sapiência dos que a guardam para si ou a encaminham de forma desastrada para as mãos dos brutos que a possam deturpar na essência ou na aplicação.
E não deixes de cultivar a memória de cada pessoa que te amar, não ignores o coração que te grita o oposto daquilo que a razão congemina para te confundir com a sua lógica cega, materialista, egoísta, que te priva de apreciares o que afinal fez a diferença nesses dias especiais que anseias e esqueceste como proporcionar.
 
De que te serve olhares o mar se deixas que se atrofie em ti a alma de navegador?
Porque não substituis aos poucos essa sede de sabedoria, esse culto da teoria, pela prática permanente, sistemática, do amor?
 
E o que esperas, com a madrugada prestes a partir, para te fazeres ao caminho, para começares a subir?
Tags:
publicado por shark às 20:14 | linque da posta | sou todo ouvidos